OMS divulga relatório com dados sobre mortalidade global na década 2010-2019

Saúde | Doenças não transmissíveis, principal causa de morte global

Saúde | Doenças não transmissíveis, principal causa de morte global

Pub

 

 

As doenças não transmissíveis constituem agora 7 das 10 principais causas de morte no mundo, de acordo com as Estimativas Globais de Saúde de 2019 da OMS. Representam uma subida nesse ranking de 4 das 10 principais causas quando comparados estes dados aos do ano 2000. Os novos dados cobrem o período de 2000 a 2019 inclusive.

As estimativas confirmam tendências surgidas nas 2 últimas décadas na mortalidade e morbidade causadas por doenças e lesões. Os dados revelam claramente a necessidade de um foco global intensificado na prevenção e tratamento de doenças cardiovasculares, cancro, diabetes e doenças respiratórias crónicas, bem como no combate a lesões, em todas as regiões do mundo, conforme estabelecido na agenda dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Necessidade de fortes sistemas de saúde

Tedros Ghebreyesus, Diretor-geral da OMS, afirma que “essas novas estimativas são outro lembrete de que precisamos acelerar a prevenção, o diagnóstico e o tratamento de doenças não transmissíveis. Estes dados destacam a urgência de melhorar drasticamente os cuidados primários de sistema de saúde de forma equitativa e holística. Um forte sistema de saúde primário é claramente a base sobre a qual tudo se baseia, desde o combate a doenças não transmissíveis até ao gerenciamento de uma pandemia global”.

Doença cardíaca, principal causa de morte global

A doença cardíaca continua a ser a causa de morte número 1; diabetes e demência entram no top 10.
As doenças cardíacas permaneceram a principal causa de morte a nível global nos últimos 20 anos. No entanto, atualmente mata mais mais pessoas do que nunca. O número de mortes por doenças cardíacas aumentou em mais de 2 milhões desde 2000, para quase 9 milhões em 2019. As doenças cardíacas representam agora um total de 16% dos falecimentos. Apesar de tudo, a região europeia tem visto um declínio relativo nas doenças cardíacas, com as mortes a diminuírem em 15%.

A doença de Alzheimer e outras formas de demência encontram-se agora entre as 10 principais causas de morte em todo o mundo, ocupando o terceiro lugar nas Américas e na Europa em 2019. As mulheres são afetadas de forma desproporcional: globalmente, 65% das mortes por Alzheimer e outras formas de demência são mulheres.

Entre 2000 e 2019, as mortes por diabetes aumentaram 70% globalmente, com um aumento de 80% nas mortes entre homens.

Redução de mortes por doenças transmissíveis, desafio para países com baixos rendimentos

Em 2019, a pneumonia e outras infeções respiratórias inferiores eram o grupo mais mortal de doenças transmissíveis e, juntas, classificadas como a quarta principal causa de morte. No entanto, em comparação com 2000, as infeções respiratórias inferiores estavam a matar menos do que no passado, com o número global de mortes diminuindo em quase meio milhão.

Esta redução está em linha com um declínio global geral na percentagem de mortes causadas por doenças transmissíveis. Por exemplo, o HIV/SIDA caiu da 8ª causa de morte em 2000 para a 19ª em 2019, refletindo o sucesso dos esforços para prevenir a infeção, fazer o teste do vírus e tratar a doença nas últimas duas décadas. Embora continue a ser a quarta principal causa de morte na África, o número de mortes caiu em mais da metade, caindo de mais de 1 milhão em 2000 para 435.000 em 2019 na África.

A tuberculose também deixou de figurar no top 10 mundial, caindo do 7º lugar em 2000 para o 13º em 2019, com uma redução de 30% nas mortes globais. Ainda assim, permanece entre as 10 principais causas de morte nas regiões da África e do Sudeste Asiático, onde é a 8ª e a 5ª causa, respectivamente. A África viu um aumento na mortalidade por tuberculose após 2000, embora tenha começado a diminuir nos últimos anos.

As novas estimativas também salientam o facto de as doenças transmissíveis matarem mais em países de baixo rendimento: 6 das 10 principais causas de morte em países de baixa renda ainda são doenças transmissíveis, incluindo malária (6ª), tuberculose (8ª) e HIV / AIDS (9º). Enquanto isso, nos últimos anos, os relatórios da OMS destacam uma desaceleração geral ou estagnação do progresso contra doenças infecciosas como HIV, tuberculose e malária.

Vive-se mais tempo, mas com menos qualidade de vida no final

As estimativas confirmam ainda a tendência de crescimento da longevidade: em 2019, as pessoas viviam mais de 6 anos a mais do que em 2000, com uma média global de mais de 73 anos em 2019 em comparação com quase 67 em 2000. Mas, em média, apenas 5 de esses anos adicionais foram vividos com boa saúde.

Na verdade, a incapacidade está a aumentar. Em grande medida, as doenças e condições de saúde que mais causam mortes são as responsáveis ​​pelo maior número de anos de vida saudáveis ​​perdidos. Doença cardíaca, diabetes, derrame, cancro de pulmão e doença pulmonar obstrutiva crónica foram coletivamente responsáveis ​​por quase 100 milhões de anos de vida saudáveis ​​perdidos em 2019 em comparação com 2000.

Lesões são outra causa importante de invalidez e morte: houve um aumento significativo de lesões causadas pela circulação na região africana desde 2000, com um aumento de quase 50%, tanto em mortes, quanto em anos de vida saudáveis ​​perdidos. Aumentos semelhantes, mas ligeiramente menores (cerca de 40%), também foram observados na região do Mediterrâneo Oriental. Globalmente, as mortes por lesões causadas pelo trânsito são 75% masculinas.

Nas Américas, o uso de drogas surgiu como um contribuinte significativo tanto para a deficiência quanto para a morte. Houve um aumento de quase três vezes nas mortes por transtornos por uso de drogas nas Américas entre 2000 e 2019. Esta região do mundo é também a única em que o transtorno por uso de drogas é um dos 10 principais contribuintes para perda de anos de vida saudáveis devido a mortes prematuras e invalidez, enquanto em todas as outras regiões o uso de drogas não se encontra entre as 25 primeiras causas.

Fontes de dados e metodologia

As estimativas de saúde global da OMS apresentam dados de séries temporais abrangentes, comparáveis ​​e transparentes para a saúde da população, incluindo expectativa de vida, expectativa de vida saudável, mortalidade e morbidade e carga de doença em nível global, regional e nacional desagregado por idade, sexo e causa, de 2000 em diante.

A disponibilidade de serviços para prevenir, diagnosticar e tratar doenças é fundamental para reduzir mortes e invalidez, influenciando onde as diferentes condições são classificadas. Essas novas estimativas indicam claramente onde os investimentos adicionais em serviços são mais urgentes.

A pandemia de Covid-19

Até hoje, a Covid-19 eliminou mais de 1,5 milhão de vidas. Pessoas que vivem com problemas de saúde pré-existentes – como as doenças cardíacas, diabetes e problemas respiratórios -. correm maior risco de complicações e morte.

Saúde | SNS atualiza Plano Nacional de Vacinação

Publicidade | VILA NOVA: deixe aqui a sua Marca

Imagem: Passos Zamith

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

*

Obs: envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Mais recentes

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.