Albano Mendes

Música | Cátia Mazari Oliveira cantou e encantou no Theatro Gil Vicente

Música | Cátia Mazari Oliveira cantou e encantou no Theatro Gil Vicente

Pub

 

 

‘a garota não’, Cátia Mazari Oliveira, deu a voz a amores e desamores, alegrias e tristezas. Apresentou-se no Theatro Gil Vicente, em Barcelos, no âmbito do programa triciclo esta quinta-feira, 3 de dezembro. Com 35 anos, é um dos novos talentos setubalenses a brilhar no panorama musical português.

Sem artifícios, ‘a garota não’ deixa nas suas canções uma reflexão interventiva sobre os tumultuosos tempos que vivemos, numa abordagem em simultâneo atual, genuína e doce. Chega ao palco de pé descalço, toca guitarra e toca piano. Gosta de escrever mais do que falar, e de cantar mais do que escrever.

Apresentou-se em Barcelos acompanhada por Sérgio Mendes, na guitarra – também produtor do álbum – e Diogo Sousa, na bateria. Cátia cantou e encantou um Theatro Gil Vicente muito próximo de esgotar a sua lotação atual.

Escreveu e canta amores e desamores, alegrias e tristezas, numa candura muito próxima de Suzanne Vega ou Mafalda da Veiga. Não faltando, também, mensagens de revolta e intervenção nos seus temas, por exemplo, caso da incursão feita no espólio musical do «velho» Fausto.

Plateia atenta e conhecedora

Sendo este um espetáculo de estreia em Barcelos, a cantora mostrou-se surpreendida pelo número de freguesias de Barcelos e pelas «individualidades» barcelenses, que pesquisou na internet, serem em grande maioria mulheres e artesãs.

“No dia do teu casamento”,  “Mundo do avesso”, “A canção”, “80. nada”, “Carta aberta a um amor ausente”, “Não choro mais” e “Adamastor”… foram tocados perante plateia atenta e conhecedora.

Realce para duas homenagens – a uma jovem fan, ausente de última hora mas com o pai presente, e, à mãe, no tema final, «a morte não sabe contar», em que carinho e mágoa estiveram presentes, devido à ausência recente da mãe – do mundo terreno – e às circunstâncias que a envolveram – segundo a autora,  Governos e falta de políticas sucessivas de Saúde dos mesmos.

Regressa a Barcelos… ‘de bike’ , Cátia. Nós gostamos.

Oceano | Ana Hilário coordena investigação na fronteira da exploração do mar profundo

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Cultura

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.