Albano Mendes

Música | Simbiose africana-europeia dos Kel Assouf encerra Ciclo da Terra no CIAGJ de Guimarães

Música | Simbiose africana-europeia dos Kel Assouf encerra Ciclo da Terra no CIAGJ de Guimarães

Pub

 

 

Esta sexta-feira, apresentaram-se na black box do CIAJG em trio, na Cidade Berço, os Kel Assouf: um baixo muito melódico e com grande pujança rítmica, o líder na guitarra, e uma bateria, de grande qualidade, a marcar ritmos, extremamente dançáveis e agradáveis ao ouvido, numa simbiose africana e europeia de ritmos extremamente apelativos.

Fazendo apelo ao movimento dos corpos e dança, mas sem sair do lugar, a sua música logo conquistou a plateia – presente em grande número -, e falou-se da pandemia e do facto de não se poderem ver os rostos. Anana Harouna, por momentos, ainda esteve tentado em pedir para se baixarem as máscaras, mas acaou por mudar de ideias.

O publico e a banda queriam mais, mas os horários são agora curtos para as artes do palco.

Anana Harouna e Kel Assouf, um pé no deserto e outro na Europa

Em 2006, Anana Harouna chegou a Bruxelas após um longo exílio e criou uma nova banda: Kel Assouf. Desde então, explorou vários estilos e fórmulas, reunindo músicos de países africanos e europeus. A banda gravou dois álbuns com a Igloo Records: duas histórias completamente diferentes, de um estilo mais tradicional ao deep rock.

Com um pé no deserto e outro na Europa, Anana Harouna canta sobre o Saara, o Níger e Bruxelas. As melodias e ritmos são diretamente inspirados pela música berbere e as frases curtas, colocadas em escalas e ritmos da música tradicional keltamasheq, fazem lembrar a concisão do haiku japonês.

Os Kel Assouf são liderados pelo cantor, músico – ao volante de uma belíssima guitarra eléctrica Gibson Flying V (há fotos lendárias de Jimi Hendrix, Keith Richards, Ray Davies, Neil Young ou até a lenda dos blues Albert King com guitarras iguais em riste) – e compositor Aboubakar “Anana” Harouna, nascido nos arredores de Agadès, capital do Níger, e desde 2006 radicado em Bruxelas, onde formou a banda.

Ciclo Terra com regresso marcado para 2021

Fechou com chave de ouro a trilogia do Ciclo Terra preparado pela Capivara Azul para o CIAG neste ano de 2020, levando a Guimarães sons da Nigéria, depois de também o ter feito com os sons quentes e a eltrónica experimental de Cabo Verde – Julinho da Concertina – e da Galiza – Baiuca. Está de parabéns a organização.

2021… PROMETE.

Imagens: Albano Mendes

Música | Febre de sexta à noite… com Baiuca no CIAGJ

Música | Ritmos quentes do mestre do funaná Julinho da Concertina deram-se a ouvir no CIAGJ de Guimarães

 

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

*

Publicidade | VILA NOVA: deixe aqui a sua Marca

Pub

Categorias: Cultura

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.