Sandra Pimenta

Eleições | A importância do voto

Eleições | A importância do voto

Pub

 

 

O tema da discriminação com base no género tem suscitado ao longo da história vários debates e instigado a várias ações cívicas e movimentos maioritariamente integrados por mulheres.

Dos vários movimentos que ao longo da história se organizaram na defesa dos direitos fundamentais, foco um em particular: o direito ao voto.

Felizmente, para a minha geração e seguintes, o voto é um direito. Mesmo não tendo experienciado o que é ver-me privada desse direito, não consigo ficar indiferente a filmes como “As sufragistas”. Como não sentir aquela dor, aquela luta como nossa?

Existe um caso português que me inspira particularmente: o de Carolina Beatriz Ângelo. A 28 de maio de 1911, esta mulher tornou-se a primeira a votar no país, por altura das eleições da Assembleia Constituinte, em 1911.

Toda a altura era por si só excecional, mas mais extraordinário é esta mulher encontrar uma lacuna na primeira lei eleitoral da República Portuguesa – redigida por homens. Apresentou-se como cidadã, maior de 21 anos, que sabia ler e escrever e, principalmente, como chefe de família. E aqui reside a questão, não se tinha considerado que uma mulher pudesse ser chefe de família, mas Carolina Beatriz
era-o, consequência da sua viuvez e da sua capacidade financeira para sustentar a família. Apesar da lei ter sido alterada no ano seguinte, especificando que o chefe de família teria de ser do sexo masculino, este acontecimento ninguém o apaga da história.

E é sobre estes marcos históricos que devemos refletir, sobre o nosso papel na sociedade e de que forma queremos fazer parte dela.

A verdade é que, no geral, continua a existir toda uma sociedade feminista, e não só, que reclama por mais direitos, por mais igualdade. Igualdade de acesso, igualdade de tratamento, igualdade salarial!
Estatisticamente, as mulheres têm tido melhores notas e resultados nas licenciaturas, representando o maior número de candidaturas. Ainda assim, no mercado de trabalho os mais altos cargos são desempenhados por homens.

Desde diretores, subdiretores, presidentes, do campo empresarial ao político, continuamos a assistir a um domínio masculino, ao ponto de em algumas situações ser obrigatório, por lei, a garantia de uma quota mínima.

Quase que arrisco a dizer que alguns pensarão: “não têm de agradecer”. Não nos podemos esquecer que vivemos num Estado democrático e de direito – este Estado que tem sido posto em causa pelo aumento da extrema direita – e que por isso devemos ambicionar escrever a nossa própria história, deixar o nosso próprio legado e perceber a importância que tem o nosso voto, pois isso refletir-se-á
em políticas justas e igualitárias.

A mudança está em cada um e cada uma de nós. O voto é um ato simples, mas fundamental: afinal, permite, ou não, que alguém decida o que fazer com a nossa vida.

Imagens: (0) Carolina Beatriz Ângelo, por autor desconhecido, em restauro efetuado pelo Museu da Guarda, (1) Carolina Beatriz ângelo (à direita), a primeira eleitora portuguesa, e Ana Castro Osório (à esquerda), presidente da Liga das Sufragistas Portuguesas, por Joshua Benoliel (imagem publicada na Ilustração Portugueza).

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

*

Pub

Categorias: Crónica, Política

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.