António Fernandes

Urbanismo | A cidade são as pessoas

Urbanismo | A cidade são as pessoas

Pub

 

Devem as cidades ser pensadas em função das necessidades das pessoas e daí resultarem soluções integradas em articulação com técnicas e tecnologias existentes e a desenvolver em função dessas mesmas necessidades?

Ou, pelo contrário, devem as cidades ser pensadas em função da presumível prevenção de hipotéticas necessidades técnicas e outras de índole estruturante futuras a que as pessoas se limitem a anuir e com as quais devem coabitar e, se o não conseguirem, serem coercivamente inseridas?

Do posicionamento face a estas duas questões resulta a estratégia de posicionamento político das diversas forças vivas da cidade e do Município [de Braga]. Sendo que, ao Município compete a gestão dessa variável em absoluto.

Posicionamento político e empreendedorismo

À cidadania, cabe a crítica construtiva por uso; à investigação, os ensaios sobre as necessidades, impactos sociais e ambientais; à indústria, a produção em quantidade; ao comércio, a distribuição; ao marketing, a implementação da ideia.

Fica, ainda assim, a faltar definição objetiva sobre a cidade por: responsabilidade inovadora. Matéria, até há bem poucos anos, da responsabilidade da indústria com os seus núcleos de desenvolvimento nos domínios da espécie e, de há uns anos a esta parte, sob a alçada do domínio académico associado a um novo conceito, o empreendedorismo, numa tentativa de responder à atual correlação existente entre a diminuição da manufatura e o aumento da automatização.

Planificação e mobilidade

Daquilo que importa à mobilidade, nesta perspetiva de análise, concluo que quando se tenta parcelar as especificidades desgarradamente resulta a mobilidade possível no emaranhado da conveniência e do interesse. Que é coisa contrária ao princípio da planificação.

Ora, no que concerne à planificação há duas perspetivas de relevo: a técnica e a política, que parecendo ser, as duas perspetivas, de contornos e conteúdo similar, o certo é que são completamente diferentes.

No que toca à primeira, a sua base de suporte e projeto é de origem e conteúdo tecnocrata desde o projeto à conceção. Enquanto que, no que reporta á segunda, a abordagem de suporte e conteúdo assenta no raciocino de gestão abrangente onde as pessoas são o ponto de partida e os equipamentos o ponto de chegada.

Cidades, densidade populacional e organização

Ao longo dos tempos as cidades mais não são do que a concentração de pessoas e dos serviços a si afetos por circunstancialismos diversos.

O seu crescimento tem sido circunscrito aos critérios que o aumento da densidade habitacional acarreta, visando soluções homogéneas de vida em sociedade organizada em torno de direitos e deveres que acabam por se impor como sendo a regra.

Desde logo: o emprego como garante de sustentabilidade permissivo à constituição da família; o equilíbrio social, garante da estabilidade necessária; a industria, o comércio; os serviços; a agricultura limítrofe; outros. A organização da vida em sociedade que dê respostas exequíveis em todos os domínios da, e para a, vida das pessoas.

Ou seja; não faz sentido pensar uma cidade no seu todo de potencial tecnológico, com as ferramentas e soluções disponíveis de forma a que as pessoas se ajustem, como se estas fossem a solução para a implementação experimentalista de inovação, e não o problema que exige soluções à tecnologia existente, uma vez que as de caráter exclusivamente humano já não respondem em tempo útil, tendo em atenção especificidades de natureza diversa.

Pensamento político e pensamento tecnocrata, realidades complementares

É este exercício que urge fazer: estabelecer diferenciação entre o pensamento politico e o pensamento tecnocrata.

Se um é vocacionado para a análise permeável e sensível, o outro é vocacionado exclusivamente para a solução técnica.

Sobre a questão se ambos serão complementares.

Respondo:

– Obviamente!

Não ao fomento de estereótipos: as cidades são as pessoas

Mas se a questão for colocada no foro da componente humana já não tenho a mesma opinião porque a génese matricial de cunho social é profundamente diferente.

Se na formação do pensamento político os valores que o regem são do foro sociológico com predominância para os modelos assentes em sistemas democráticos tidos como fonte da liberdade de expressão e de condição, sine qua non, já na formação do pensamento tecnocrático tal não acontece por balizamento do raciocínio, com predominância para a “rigidez dos processos” sobre todos os outros, com um trajeto histórico na organização das sociedades que tem sido nefasto para as pessoas tirando-lhes a sua identidade cultural para fomentar condições à criação de estereótipos daquilo que pretendem.

Em suma e em redundância: um abre o caminho que o outro fecha.

Caminho esse em que a mobilidade surge como a solução para a articulação de todas as suas especificidades dando sentido ao enunciado: as cidades são as pessoas

 

Imagem: Fernando Araújo

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

*

Pub

Categorias: Crónica, Sociedade

About Author

António Fernandes

António da Silva Fernandes nasceu em 1954, em S. José de S. Lázaro e reside atualmente em S. Mamede de Este, em Braga. É chefe de serviços da Alcatel. Como dirigente associativo, esteve e/ou está envolvido com: ACARE; GETA; Academia Salgado Zenha; Academia Sénior Dr. Egas; Associação de Pais da Escola Dr. Francisco Sanches; APD - Associação Portuguesa de Deficientes; Associação de Solidariedade Social de Este S. Mamede. Ao longo da sua vida, desenvolveu atividade política no MDP/CDE; JCP; PCP; LIESM-Lista Independente de Este S. Mamede; Comissão Política do Partido Socialista - Secção de Braga; Clube Político do Partido Socialista - Secção de Braga. Na política autárquica, desempenhou funções na Assembleia de Freguesia e no Executivo da Junta de Freguesia de Este S. Mamede. Desenvolve atividade na escrita: Poesia em antologias nacionais e plataformas digitais; Artigos de Opinião em Órgãos de Comunicação Social local e nacional, em suporte de papel e digital quer em blogues quer em Órgãos da Comunicação Social escrita. Colaborador na Rádio: R.T.M. (Solidariedade); Antena Minho (Cumplicidades).

Write a Comment

Only registered users can comment.