Em dia de centésimo aniversário do nascimento do dramaturgo

Literatura | Bernardo Santareno alvo de homenagem no Gil Eannes

Literatura | Bernardo Santareno alvo de homenagem no Gil Eannes

Pub

 

 

Bernardo Santareno foi alvo de homenagem no antigo navio-hospital Gil Eannes, palco das comemorações do centenário do nascimento de Martinho do Rosário, médico que escreveu sob aquele pseudónimo e que, em 1958, integrou o corpo clínico do navio vianense. As comemorações incluíram a leitura encenada de uma seleção de textos de “O Lugre nos Mares do Fim do Mundo” e foram iniciativa conjunta da Câmara Municipal de Viana do Castelo, Fundação Gil Eannes e Teatro do Noroeste – Centro Dramático de Viana.

A experiência a bordo de António Martinho do Rosário foi a matéria-prima para a transposição poética da dura realidade da faina bacalhoeira nacional que a obra literária de Bernardo Santareno imortalizou de forma ímpar nas letras portuguesas.

Vida…

Bernardo Santareno foi um dos médicos das longas campanhas, realizadas no final dos anos de 1950, integrado na equipa do navio hospital Gil Eannes – mas viajando também em arrastões como Senhora do Mar e David Melgueiro -, onde testemunhou as precárias condições de higiene, de salubridade e as jornadas de trabalho, muitas vezes ininterruptas, de dezenas de horas, a que os pescadores, parcamente pagos, eram sujeitos.

Nascido em Santarém, em 19 de novembro de 1920, António Martinho do Rosário formou-se em Medicina e especializou-se em psiquiatria, mas foi com o pseudónimo literário Bernardo Santareno que se tornou conhecido fora dos consultórios onde trabalhou. Morreu no dia 29 de agosto de 1980, aos 59 anos.

… e obra

“A Promessa”, “O Lugre”, “O Crime da Aldeia Velha”, “António Marinheiro ou o Édipo de Alfama”, “O Pecado de João Agonia”, “O Judeu”, “A Traição do Padre Martinho” e “Português, Escritor, 45 Anos de Idade” são algumas das peças de Bernardo Santareno, que se destacaram nos palcos.

O autor também escreveu poesia (“A Morte na Raiz”, “Romances do Mar”, “Os Olhos da Víbora”) e relatos de viagens, nomeadamente em “Nos Mares do Fim do Mundo”, onde testemunha a saga dos pescadores da antiga frota bacalhoeira portuguesa.

Imagens: ABelo / Município de Viana do Castelo

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

*

Pub

Categorias: Cultura

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.