António Manuel Reis

PSD | A inevitável Frente de Direita

PSD | A inevitável Frente de Direita

Pub

 

 

Portugal está doente e não é devido à Covid-19.

A política portuguesa atingiu o grau zero.

A desfaçatez, a falta de seriedade, a mentira, o encobrimento, a tentativa de fazer dos portugueses ignorantes é por demais evidente na nossa classe política.

Vem isto tudo a propósito da formação do Governo Regional dos Açores.

É de lamentar a posição tomada pelo Partido Socialista e António Costa à solução encontrada dentro do quadro parlamentar para a formação do novo Governo Açoriano.

Os mesmos que, em 2015, formaram a denominada Geringonca, com o objectivo único de tirar a direita e Passos Coelho do poder, e que andaram estes cinco anos a vangloriarem-se disso, vêm, depois de provarem o próprio veneno, com uma desfaçatez tamanha, colocar em causa acordos parlamentares emanados do voto legítimo e democrático dos açorianos, esquecendo-se que o voto de um açoriano no partido de extrema esquerda é exactamente igual e validamente expresso como um voto num partido de direita, mais à direita.

Como dizia o outro é preciso ter uma lata descomunal.

E aqui chegados que dizer do PSD?

Temos o flop Rui Rio, que conseguiu a proeza de, no início do seu mandato como Presidente do PSD, perder um forte manancial de militantes que não se reviram no posicionamento político a que foi votado este partido.

Durante este mandato, a sangria continuou e, neste momento, com a formação do governo nos Açores, acabou por defraudar as expectativas de muitos dos militantes mais esquerdistas, que lhe confiaram o seu voto.

Porém, Rui Rio analisou muito bem o que o povo açoriano expressou através do seu voto: a mudança.

A coligação AD, para o governo dos Açores, foi uma opção assertiva. Contudo, concordando na génese, discordo no caminho que foi efectuado para lá chegar.

Em 2015, o PSD discordou da forma habilidosa, mas legítima, de como Costa chamou os partidos de esquerda e esquerda radical para formar maioria para governar, tendo perdido as eleições.

Em coerência com o que defendi então, acho que nos Açores deveriam , antes de apresentar a solução à direita, ter deixado o representante da República chamar o partido vencedor  a formar governo, apresentar o seu programa na Assembleia Regional e então aí decidirem se viabilizavam ou rejeitavam o programa de governo.

Nessa circunstância, o PSD sairia, à partida, sempre por cima e colocava o ónus da decisão no partido mais à direita.

Este, se votasse a favor ou se abstivesse, estava a dar a mão à continuidade do PS no governo açoriano. Caso votasse  contra, estava a viabilizar o governo de José Bolieiro sem necessidade de qualquer acordo pré-parlamentar, ou seja, tinha evitado esta celeuma toda.

Mais uma vez, Rio esteve mal em responder à provocação socialista.

O Partido Socialista e os portugueses em geral sabem perfeitamente que, desde 2015, pode não ser o partido mais votado a formar governo.

Sabem também que só a união dos partidos à esquerda ou à direita fará com que se formem maiorias para governar.

Rio também sabe isso. Só poderá chefiar um governo se conseguir uma frente de direita com todos os partidos à direita do PS.

Todos os partidos com assento parlamentar foram legalmente constituídos e aprovados no Tribunal Constitucional (TC). Desde a esquerda radical à direita mais conservadora, todos se encontram no arco democrático.

Por esse facto, o Presidente do PSD não pode nem deve intimidar se com a associação que os partidos de esquerda tentam fazer com a sua colagem a André Ventura.

O Partido Social Democrata tem de  assumir, com frontalidade, a liderança dessa frente de direita, sem dogmas, nem rodriguinhos.

Seria deveras positivo, aliás, que acontecesse já nas eleições autárquicas, de forma a camuflar a mais que provável derrota eleitoral, com a manutenção e conquista de autarquias que, sozinho, serão inatingíveis para o partido e ir preparando terreno para as eleições legislativas que, mais tarde ou mais cedo, estarão aí.

Depois da destruição que provocou no partido, mesmo sabendo que não vai ser ele a liderar o próximo governo chefiado pelo PSD, Rui Rio tem a obrigação de tudo fazer para que o seu partido continue acima da linha de água de modo a que, quem se lhe siga, ainda tenha a massa crítica e a confiança de muitos portugueses.

A título pessoal, espero ansiosamente por esse dia.

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Crónica, Política

About Author

António Manuel Reis

António Manuel Reis, nasceu em Barcelos a 07-10-1963. Concluiu em 1985, o curso na área de tinturaria têxtil UM/Mazagão. Formação em colorimetria, recursos humanos, automatização, sistemas de qualidade ISSO, planeamento, processos, produção. Industrial Têxtil de 1996 a 2009. Dirigente desportivo 1998 a 2004.Gestor empresarial de 2010 a 2013. Concluiu curso de formação de formadores em 2014. Trabalhador independente Real Estate Consultan 2018. Em curso, Licenciatura Ciências Sociais e Ciência Politica. Militante da JSD desde 1978/ Militante PSD desde 1981, delegado e Observador a Congressos, Delegado CPD, TSD, Membro da CPS, candidato a Presidente de Junta da UF Barcelos, deputado a UF. Candidato á Presidência da CPS. Membro independente da UF Barcelos. Partido Aliança em 2018.

Write a Comment

Only registered users can comment.