‘A vida como ela é’: ‘in itinere’ de um diário íntimo

Pintura | Serralves expõe Lourdes Castro em Barcelos

Pintura | Serralves expõe Lourdes Castro em Barcelos

Pub

 

 

Lourdes Castro | A vida como ela é‘ foi apresentada esta quinta-feira na Galeria Municipal de Barcelos, no âmbito do acordo de integração do Município de Barcelos como fundador de Serralves.

Esta exposição apresenta trabalhos de Lourdes Castro, nascida na cidade do Funchal, em 1930, produzidos desde a década de 1960, em diversos meios – edições, desenho, bordados, plexiglass –, em nome próprio e com outros artistas, que sublinham a importância na sua prática artística das colaborações e da relação entre arte e quotidiano.

A sombra e a vida como ela é: diário íntimo de Lourdes de Castro

Lourdes Castro, radicada em Paris desde 1958, mas regressada à ilha da Madeira em 1983, construiu ao longo do seu percurso uma obra irredutivelmente singular, ligada às silhuetas e às sombras. A artista ligou-se de início ao informalismo francês, mas rapidamente arrepiou caminho e dedicou-se ao nouveau réalisme, que enfatizava a relação da arte com a realidade, nomeadamente com as paisagens visuais das cidades, crescentemente saturadas de signos, e com a acumulação de objetos cuja obsolescência é, depois da II Grande Guerra, cada vez mais rápida.

Na exposição, que até outubro poderia ter sido vista no Porto, permitirá ver, além da revista KWY (1958–1963), colagens e assemblagens de objetos do quotidiano pintados com tinta de alumínio; cartazes dominados pelo seu tema de eleição – a Sombra, e obras em plexiglass. Estes desenhos, na sua simplicidade e na sua evidência revelam a vontade, por parte da artista, de ver “sempre pela primeira vez e em primeira mão”. Diário íntimo de Lourdes Castro com as plantas e as flores, as obras expostas são também um tratado sobre a atenção, sobre estar inteiramente presente no “aqui e agora”. São por isso mesmo testemunhos de uma “eternidade efémera”, e da relação da arte com A vida como ela é.

Serralves em itinerância, iniciativa de apoio à descentralização cultural

Esta iniciativa integra-se num programa de exposições e apresentação de obras da Coleção de Serralves especificamente selecionadas para os locais de exposição com o objetivo de tornar este acervo acessível a públicos diversificados de todas as regiões do país. Este programa de itinerâncias percorre o país, apresentando diferentes exposições e obras em mais de 30 locais e municípios, cumprindo assim a Fundação de Serralves a sua missão de apoio efetivo à descentralização da oferta cultural.

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Agenda, Arte

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.