‘Resistir, enfim, para fazer da arte uma coisa viva, coisa que acontece e aparece apesar dos pequenos crimes de que somos alvo’

Resistir: Deleuze e as pequenas mortes de todos os dias

Resistir: Deleuze e as pequenas mortes de todos os dias

Pub

 

 

Falou-se muito de Deleuze nos anos 90 e eu lembro-me bem, pois nessa altura vivia em França. Falava-se de um professor adorado pelos alunos e de um autor complexo, difícil e ao mesmo tempo essencial.

Gilles Deleuze deixou-nos, em 1995, órfãos de uma obra densa, interrogativa, diferente. Ler uma página de Deleuze dá-nos acesso a uma grande perturbação, como se os fundamentos de tudo se desenraizassem e os conceitos viajassem alucinados, tomando novas formas e tecendo relações quase eléctricas entre si e com a linguagem.

Às vezes chegam até nós fragmentos de aulas e de entrevistas, que podemos ver no youtube e em registos quase anónimos. Há dias ouvi Deleuze falar parcamente sobre a criação artística como resistência. Apenas isso. Nós somos herdeiros de longos séculos de pensamento, mas também de tirania; somos herdeiros de vícios, de lugares-comuns, de processos de alheamento sistémico.

Acredito que a resistência de que fala Deleuze começa no corpo e na respiração, mas não deixa de ser uma questão de ordem filosófica e de ordem física, como se as leis da termodinâmica fossem uma espécie de força inspiradora ou de condição ética. Resistir à usura, a todas as usuras, ao desgaste produzido pela repetição ad nauseum dos valores decrépitos do último capitalismo; resistir à norma, à retórica, à gramática, à vigilância sistémica sobre o discurso; resistir, enfim, para fazer da arte uma coisa viva, coisa que acontece e aparece apesar da morte, das pequenas mortes de todos os dias, dos pequenos crimes de que somos alvo.

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - diário digital generalista de âmbito regional

Tabaco responsável por 20% das mortes por doenças cardíacas

Imagem: DR

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

Publicidade | VILA NOVA: deixe aqui a sua Marca

Pub

Categorias: Crónica, Cultura

Acerca do Autor

José Miguel Braga

Professor, encenador, ator.

Comente este artigo

Only registered users can comment.