#eujogopelodesporto da Amnistia Internacional promove igualdade, justiça e respeito pelo outro

Craques do futebol e futsal convocados para jogo pelos Direitos Humanos

Craques do futebol e futsal convocados para jogo pelos Direitos Humanos

Pub

 

A Amnistia Internacional Portugal lançou, esta quinta-feira, o projeto ‘Eu Jogo Pelos Direitos Humanos‘. Trata-se de uma iniciativa inédita de consciencialização para os Direitos Humanos através do desporto e, numa primeira fase, focada no futebol, que junta entidades governamentais, a Federação Portuguesa de Futebol, a Liga Portuguesa de Futebol Profissional, associações de jogadores, treinadores e árbitros, entre outros parceiros.

Tendo em conta o atual clima de violência, racismo, intimidação e ameaças à integridade física (pessoal e familiar), bem como a vulgarização dos casos de tráfico de seres humanos e mesmo o discurso de ódio sentido pelos agentes desportivos nos locais onde praticam as modalidades por tantos apreciadas e admiradas e que acontecem um pouco por todo o mundo, a Amnistia Internacional lança um apelo de envolvimento numa afirmação comum a todos: ‘Eu Jogo Pelos Direitos Humanos’.

“Eu Jogo Pelos Direitos Humanos” conta com personalidades de relevo no mundo do desporto

A dar a cara por este projeto estão o selecionador nacional Fernando Santos e vários internacionais portugueses, como João Félix, Bernardo Silva, José Fonte, Trincão, Ricardo Quaresma, Éder, Rui Patrício, Renato Sanches, entre outros nomes. A lista completa, que junta também internacionais A de futebol feminino, internacionais de futsal, feminino e masculino, árbitros e outras personalidades do mundo do desporto, pode ser encontrada em anexo.

Por ser inclusivo, multicultural e influente na nossa sociedade, o desporto deve ser aproveitado para a promoção da igualdade, justiça e respeito pelo outro. Desta forma, o projeto “Eu Jogo Pelos Direitos Humanos” pretende, com o apoio e esforço conjunto de entidades do setor desportivo e outros parceiros, abrir caminho a uma reflexão a partir dos artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Ao longo da época 2020-2021, a Amnistia Internacional e as entidades parceiras do projeto vão promover um conjunto de ações de sensibilização e educação para os Direitos Humanos no âmbito de diversas modalidades. Estas iniciativas são destinadas a agentes desportivos, adeptos e público em geral.

Promover mudanças de atitudes e reforçar a educação para os Direitos Humanos no contexto desportivo

“O desporto pode afirmar-se como exemplo de um mundo mais justo, por ser inclusivo e multicultural. Mas isso depende de todos: adeptos com mais respeito que se demarcam de todas as manifestações de ódio, clubes com mais noção da sua responsabilidade social, atletas e equipas técnicas que utilizam a sua influência mediática com mais força para que todas as pessoas, em todo o mundo, possam usufruir de Direitos Humanos”, começa por explicar o diretor-executivo da Amnistia Internacional Portugal, Pedro A. Neto.

O responsável alerta que “o desporto espelha a sociedade no seu melhor e no seu pior, e, infelizmente, tem potenciado comportamentos, práticas e ideais que promovem racismo, discriminação, violência e discurso de ódio, dentro e fora do campo”. “O projeto ‘Eu Jogo Pelos Direitos Humanos’ aposta num esforço de equipa, entre entidades governamentais, agentes desportivos, empresas, adeptos e público em geral para centrar o debate nos problemas existentes, promover mudanças de atitudes e reforçar a educação para os Direitos Humanos também no contexto desportivo”.

“No caso particular do futebol, como jogo de arte coletiva, junta capacidades, habilidades e culturas diferentes, trabalhando-se em conjunto e união para alcançar a vitória, jogo a jogo. É isso que queremos que seja transposto para a sociedade e para os direitos humanos: um trabalho coletivo e de todas as pessoas para um mundo melhor”, conclui Pedro A. Neto.

scholae linguae latinae - communitas bracarensis - latim - curso livre - professor andré antunes - latim - biblioteca lúcio craveiro da silva

Parceiros institucionais e organizações desportivas associadas

Entre os parceiros institucionais e organizações desportivas que associam estão: Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto, Secretaria de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Autoridade de Prevenção e Combate à Violência no Desporto, Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género, Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial, Instituto Português do Desporto e Juventude, I. P./Plano Nacional da Ética no Desporto, Federação Portuguesa de Futebol, Liga Portuguesa de Futebol Profissional/Fundação do Futebol, NOS, Sport TV, Olivedesportos e Altice, entre outros.

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - 1ª página - notícias - informação - jornal - diário digital generalista de âmbito regional

Imagens: AIpt

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade, entre outros.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta. A melhor forma de o fazermos é dispormos de independência financeira.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os seus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

Pub

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.