Melhorar condições de saúde, bem-estar e qualidade de vida das pessoas residentes em territórios vulneráveis

Habitação | Póvoa de Varzim convida população a aderir ao programa Bairros Felizes

Habitação | Póvoa de Varzim convida população a aderir ao programa Bairros Felizes

Pub

 

 

O Pelouro da Coesão Social do Município da Póvoa de Varzim acaba de lembrar que, através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2020, de 1 de julho, foi criado pelo Governo um programa público, de natureza participativa, para melhoria das condições de saúde, bem-estar e qualidade de vida das pessoas residentes em territórios vulneráveis.

A vigorar até dezembro de 2021, o Programa Bairros Saudáveis, que funciona de acordo com um Regulamento já definido, irá financiar projetos apresentados através de procedimento concursal público por parcerias locais para melhorias nesses territórios, com um montante máximo de 50.000 euros, com quatro objetivos específicos:

  • promover iniciativas de desenvolvimento local e de capacitação das comunidades locais, dando apoio material e institucional à auto-organização da população e à sua participação na melhoria das respetivas condições de vida e dos determinantes em saúde;
  • viabilizar intervenções céleres e eficazes que criem comunidades mais resilientes, inclusivas e saudáveis, através da transformação do capital social e humano, da cidadania ativa e do trabalho em rede;
  • promover o desenho e a gestão na construção e requalificação de espaços públicos e/ou comuns mais seguros, inclusivos e saudáveis, que valorizem o desenvolvimento humano e a sustentabilidade ambiental;
  • eliminar barreiras ou fatores de discriminaçãocontribuindo para uma imagem positiva das diferentes comunidades que partilham o espaço local e combatendo informações falsas ou estigmatizantes.

Apoiando projetos de parcerias locais apresentados por associações, organizações de moradores, coletividades, organizações não governamentais, IPSS, cooperativas e grupos informais organizados para o efeito, esta iniciativa irá permitir, em articulação com as autarquias, autoridades de saúde ou demais entidades públicas, devolver algum poder às comunidades residentes e pessoas ou organizações intervenientes em territórios vulneráveis, onde se verifiquem pelo menos três das seguintes sete condições:

  • condições de habitabilidade deficientes ou precárias;
  • número significativo de moradores com rendimentos baixos ou muito baixos;
  • número significativo de pessoas de risco em caso de Covid-19;
  • número significativo de pessoas com constrangimentos de acesso a cuidados de saúde, incluindo medicação;
  • taxa de cobertura vacinal do Programa Nacional de Vacinação, atualizado para a idade, inferior a 95%;
  • número significativo de crianças e jovens em idade escolar a não frequentar a escola ou com elevada percentagem de insucesso;
  • número significativo de pessoas em situação de exclusão social, isolamento ou abandono, nomeadamente idosos, pessoas em situação de sem abrigo ou vítimas de tráfico.

O formulário de candidatura estará disponível, previsivelmente, a partir do mês de outubro, no sítio oficial do Programa e deverá ser elaborado com apoio de mentores que podem ajudar a construir o projeto e  a preencher o mesmo.

Seguidamente, os projetos serão avaliados por um júri independente com base na sua pertinência, na participação dos moradores e da comunidade local na construção da candidatura, na qualidade e originalidade da mesma, no potencial de continuidade e sustentabilidade nas suas diferentes dimensões e no envolvimento dos serviços ou autoridades de saúde locais no desenvolvimento previsto do projeto.

Importa referir que cada parceria local deve ser constituída por um mínimo de duas entidades, das quais uma deve funcionar como promotora e outra como parceira.

Fonte e Imagens: Município da Póvoa de Varzim

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Sociedade

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.