Francisco Duarte Mangas vence Grande Prémio do Conto Camilo Castelo Branco

Francisco Duarte Mangas vence Grande Prémio do Conto Camilo Castelo Branco

Pub

 

 

A Associação Portuguesa de Escritores atribuiu, em 2020, a Francisco Duarte Mangas o Grande Prémio de Conto ‘Camilo Castelo Branco’ APE/Município de Famalicão pelo livro ‘Pavese no Café Ceuta’, publicado na editora Teodolito. O júri foi constituído por Isabel Cristina Mateus, Liberto Cruz e Maria de Lurdes Sampaio e tomou a sua decisão por unanimidade.

Pavese no Café Ceuta

O júri, sobre a obra, exarou em Acta: “…atribuir este prémio por considerar o modo engenhoso como convoca para narrativas breves um conjunto de autores, de vozes, de textos da literatura universal tornando-as presenças reais e vivas num cenário do nosso quotidiano urbano.”

De acordo com a informação da editora, ‘o escritor italiano Cesare Pavese procura o antigo editor de Eugénio no café errado. Gabriela, personagem de Jorge Amado, também chega ao Porto para descobrir alguns dos homens que dormiram com Gisberta, “antes de ser fétida melancolia, brinquedo de moleque”. Pavese no Café Ceuta é um tributo aos livros, a lugares rasurados, e a quem verdadeiramente os ama’.

A Gazeta das Caldas descreve o livro como tratando-se de “uma reunião de 16 narrativas em 184 páginas” e como uma “homenagem à Literatura”. E cita: ‘Em «Lenha verde» pode ler-se uma frase que resume tudo: «Eu escrevo lendo os outros». Ou dito de outra maneira: «Não se vende o que se ama. Em vez de filhos criei heterónimos – impedidos de herdar qualquer legado.»’

O Grande Prémio de Conto “Camilo Castelo Branco”, instituído em 1991, pela Associação Portuguesa de Escritores, patrocinado pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, destina-se a galardoar anualmente uma obra em língua portuguesa de um autor português ou de país africano de expressão portuguesa, publicada em livro, 1.ª edição, no decurso do ano de 2019.

O valor monetário deste Grande Prémio é, para o autor distinguido, de € 7.500,00.

A data da cerimónia de entrega do prémio será oportunamente anunciada.

scholae linguae latina - communitas bracarensis - andré antunes - biblioteca lúcio craveiro da silva - braga - latim - curso - artigo francisco duarte mangas vence grande prémio do conto camilo castelo branco

Francisco Duarte mangas, uma vida dedicada à escrita

Francisco Duarte Mangas (Rossas, 1960) foi professor durante três anos e jornalista ao longo de quase três décadas.

Autor de mais de duas dezenas de obras nos domínios da ficção, poesia e literatura infanto-juvenil, o seu primeiro livro, Diário de Link, foi distinguido com o Prémio Carlos de Oliveira. Geografia do medo, A morte do Dali, O coração transido dos mouros, A rapariga dos lábios azuis e Jacarandá são alguns dos seus romances. No campo da poesia, publicou Cavalo dentro da cabeça, Espécies cinegéticas, Pequeno livro da terra, Transumância, Brévia e A Fome Apátrida das Aves. Na literatura para os mais novos começou com O elefantezinho verde; contaria depois as histórias de O gato Karl, O ladrão de palavras, O noitibó a gralha e outros bichos, A menina, Sílvio, domador de caracóis e O gato Karl – a palavraria.

Em singulares ocasiões, Francisco Duarte Mngas realizou parcerias de escrita. Assim aconteceu com Augusto Baptista, com quem escreveu O Medo não podia ter tudo, e partilharia ainda a escrita de Breviário do Sol e Breviário da Água com João Pedro Mésseder.

O romacista integrou a direção do Teatro Experimental do Porto-Círculo de Cultura Teatral, quando o TEP tinha sede na margem direita do Douro, foi vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas, e é o presidente da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto.

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - 1ª página - finanças - europa - prr - joão leão - primeiro pagamento

Fontes: APE, Gazeta das Caldas, Teodolito; Imagem: FDM+teodolito (ed VN)

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

Publicidade | VILA NOVA: deixe aqui a sua Marca

Pub

Categorias: Cultura, Famalicão, Literatura

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.