‘Toda a vida da artista foi construída em torno da subida ao palco’

Música | Rui Vieira Nery leva Amália à Póvoa de Varzim

Música | Rui Vieira Nery leva Amália à Póvoa de Varzim

 

 

Pela vigésima segunda vez, Rui Vieira Nery proferiu a Conferência de abertura do Festival Internacional de Música da Póvoa de Varzim. A 42ª edição do Festival arrancou esta quinta-feira à noite, no Cine-Teatro Garrett, com uma conferência intitulada “Amália Rodrigues: O Fado no Mundo e o Mundo no Fado“.

Numa altura em que se celebra o Centenário do Nascimento de Amália Rodrigues (2020-2021), o musicólogo deu a conhecer a vida e obra da artista universal considerada uma das personalidades mais importantes da história da música do século XX.

Raízes musicais de Amália exteriores ao fado

Rui Vieira Nery revelou que as raízes musicais da Amália não estão no fado de Lisboa: “Ela vai fazendo uma espécie de tecido de memórias musicais do que a família ouve (cantigas da Beira-Baixa) e dos filmes argentinos e musicais espanhóis que gostava de ver. Tudo isto se vai cozinhando numa personalidade artística muito especial”.

O musicólogo deu a conhecer todo o percurso profissional da artista que, em 1938, inicia a sua carreira como fadista no Retiro da Severa, Casa de Fados, em Lisboa. Esta experiência foi um sucesso extraordinário e os ecos desta nova estrela são tais que as Casas de Fado esgotam constantemente para a ouvir. Em 1940, o Teatro de Revista vai buscá-la e começa a ser estrela convidada das revistas do Parque Mayer, onde encontra uma realidade musical diferente. Amália Rodrigues gravou o seu primeiro disco em 1945, no Brasil, que só mais tarde (1950-51) chegou a Portugal. Em 1947, a artista estreia-se no cinema com o filme “Capas Negras”. Entretanto, percorre vários países e os seus concertos são difundidos por todo o mundo. Em 1962, abre-se um novo capítulo com o álbum “Busto”, que marcou o início de colaboração de Alain Oulman com Amália. A artista atinge o auge da sua carreira e percorre o mundo inteiro.

Na década de 70, Amália Rodrigues começa a mostrar dificuldades vocais e com o 25 de Abril há uma campanha brutal de calúnias sobre si e foi objeto de rejeição, levando a que deixasse, praticamente, de cantar em Portugal.  No entanto, nos fins da década de 70 e anos 80 continuou a arriscar fora do país. Em 1985, dá um grande concerto no Coliseu dos Recreios que marca a reconciliação definitiva dos portugueses com Amália e até ao seu último concerto, em 1994, vai dando concertos ocasionais.

Rui Vieira Nery revelou que “toda a vida dela foi construída em torno da subida ao palco. Tudo o mais foi secundarizado”. Morre em 1999 e meio milhão de pessoas sai à rua para acompanhar o corpo, gerando-se “um consenso em torno do seu nome que foi decisivo para o consenso na candidatura do Fado a Património Mundial, em 2011, ou não fosse ela o “ícone absoluto deste género”.

O musicólogo terminou constatando que “a identidade musical portuguesa é muito mais do que o fado, mas não seria a mesma sem o fado”.

Concertos do festival iniciam hoje com Divino Sospiro, Andreas Scholl e Raquel Camarinha a interpretarem o Stabat Mater de Pergolesi

Presente na conferência, desta vez com menos público do que o habitual devido às infelizes circunstâncias motivadas pela pandemia de Covid-19, esteve o Vice-Presidente e Vereador da Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, Luís Diamantino, que subiu ao palco para presentear Rui Vieira Nery com uma lembrança e agradecer-lhe pelo facto de ter levado à cidade o mundo do Fado e Amália Rodrigues.

O Festival prossegue hoje, às 21h45, na Igreja Matriz, onde terá lugar o primeiro concerto com a estreia da orquestra de câmara barroca Divino Sospiro e do renomado contratenor Andreas Scholl. Juntamente com a soprano poveira Raquel Camarinha, vão interpretar Stabat Mater de Pergolesi, uma das obras mais celebradas do período Barroco, que relata de forma intensa o sofrimento de Maria perante a crucificação de Jesus.

 

Fonte: Município da Póvoa de Varzim; Imagens: (0) Município da Póvoa de Varzim, (1) Fundação Amália Rodrigues

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Categories: Cultura

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.