‘Nenhuma criança deve ter o acesso à educação negado devido ao uso de máscara ou à falta de uma máscara devido a poucos recursos ou indisponibilidade’

Pandemia | Viabilidade, conforto, comunicação e questões sociais: o uso de máscaras e viseiras em crianças

Pandemia | Viabilidade, conforto, comunicação e questões sociais: o uso de máscaras e viseiras em crianças

 

 

‘Nenhuma criança deve ter o acesso à educação negado devido ao uso de máscara ou à falta de uma máscara devido a poucos recursos ou indisponibilidade’, destaca a OMS.

Sete meses após o início da pandemia de Covid-19, os cientistas sabem muito mais sobre o novo vírus do que no início. Mesmo assim, há ainda imenso por saber, incluindo a rapidez com que as crianças espalham a doença e por quanto tempo as pessoas permanecem imunes depois de infectadas. Desvendar esses mistérios desempenhará um papel crucial em nossa capacidade de fazer com que escolas, empresas e as nossas vidas regressem ao normal.

No âmbito do seu trabalho de acompanhamento da pandemia de Covid-19, a Organização Mundial de Saúde – OMS divulgou agora novo relatório de aconselhamento sobre o uso de máscaras para crianças na comunidade. Assim, a OMS vem confirmar, em função da evidência disponível, ainda que limitada, nomeadamente porque as escolas se mantiveram encerradas em grande parte do mundo, que as crianças pequenas parecem ter menor suscetibilidade à infecção em comparação com adultos. No entanto, os dados disponíveis sugerem que tal suscetibilidade pode variar em função da idade.

Os benefícios do uso de máscaras em crianças para o controle de Covid-19 devem ser ponderados tendo em conta os danos potenciais associados à sua utilização, incluindo viabilidade e desconforto, bem como questões sociais e de comunicação. Os fatores a serem considerados incluem grupos etários, considerações socioculturais e contextuais e disponibilidade de supervisão de adultos e outros recursos para prevenir a transmissão.

A OMS alerta para a necessidade de dados de estudos prospetivos de alta qualidade em diferentes cenários sobre o papel de crianças e adolescentes em transmissão de SARS-CoV-2, em particular sobre as maneiras de melhorar a aceitação e conformidade do uso da máscara e sobre a eficácia do uso de máscaras em crianças. Esses estudos devem ser priorizados e incluir estudos prospetivos de transmissão em ambientes educacionais e domicílios estratificados por grupos de idade (idealmente crianças menores de 2 anos de idade, entre 2 e 4 anos, entre 5 e 11 anos e maiores do que 12 anos) e com diferentes prevalências e padrões de transmissão.

A organização considera também que se deve dar especial ênfase aos estudos em escolas de baixo e médio rendimento.

Uso de viseiras como alternativa

As viseiras de proteção facial são uma barreira física incompleta e não fornecem as camadas de filtragem de uma máscara. Estes protetores faciais são projetados para serem usados ​​tendo em vista a proteção contra respingos de fluído biológico (particularmente secreções respiratórias), agentes químicos e detritos nos olhos.

No contexto da Covid-19 em ambientes comunitários, algumas crianças podem não ser capazes de usar uma máscara por
uma variedade de razões (por exemplo, problemas de saúde, medo de máscara) e, portanto, proteções faciais podem ser consideradas como uma alternativa – não totalmente segura por si só – às máscaras respiratórias.

Se há países que recomendam protetores faciais como alternativa à máscara, outros países aconselham tanto o uso de uma máscara quanto a utilização conjunta destes equipamentos. De qualquer dos modos, deve ter-se em conta que crianças com necessidades especiais podem precisar ficar isentas de usar qualquer um destes EPI.

Considerações sobre o uso de máscaras em espaço escolar

Para facilitar a operacionalização desta orientação em ambientes escolares, a aplicar de acordo com os padrões de cada território, a OMS aconselha que as categorias de idade devem ser adaptadas à estrutura de nível educacional nacional ou local. Ainda assim, o uso de máscaras por crianças e adolescentes nas escolas deve ser considerado apenas como parte de uma estratégia abrangente para limitar a propagação do Covid-19.

Como parte da estratégia abrangente de segurança escolar para a reabertura das atividades escolares, a visão de professores e educadores sobre a percepção dos riscos e a carga de tempo necessária para garantir a adesão às políticas Covid-19 em escolas e salas de aula – incluindo o uso de máscaras por crianças – devem ser consideradas. Situações em que usar uma máscara podem interferir significativamente no processo de aprendizagem e ter um impacto negativo em atividades escolares críticas, como educação física, programas de alimentação, tempo para brincar e atividades desportivas – bem como aprendizagem – requerem consideração especial.

Se o uso de máscaras de tecido for recomendado nas escolas, instruções e suprimentos específicos devem ser fornecidos para o armazenamento seguro, manuseio e disponibilidade de máscaras de tecido. Um suprimento suficiente de máscaras apropriadas deve ser garantido para todas as escolas crianças.

Por outro lado, se máscaras médicas ou descartáveis ​​forem usadas em situações específicas, um sistema para gerenciamento de resíduos incluindo o descarte de máscaras usadas precisará ser estabelecido para reduzir o risco de máscaras contaminadas serem descartadas em salas de aula e parques infantis.

 

Q&A: Children and masks related to Covid-19 by WHO

 

Fontes: OMS, PopSci; Imagem: Pexels

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de multibanco ou netbanking.

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Categories: Sociedade

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.