Raquel Varela

Pandemia | Avante!

Pandemia | Avante!

Pub

 

 

Nunca fui apoiante do PCP. Nem militante. Acho o comunismo uma ideia belíssima de igualdade e liberdade e por isso não acredito que um partido burocratizado possa assumir a liderança dessa ideia. Conheço o PCP relativamente bem – a minha tese de doutoramento é a história do partido na revolução dos cravos. Não sou católica. Nem agnóstica. Sou ateia. Conheço porém bem o papel da Igreja Católica em Portugal.

Confio mais no PCP e na Igreja Católica para organizarem ajuntamentos com critérios de saúde pública no que no Estado português (e na DGS). No PCP (e na Igreja) há disciplina voluntária, organização, vontade, e confiança – e são as últimas instituições que querem ter um surto de Covid-19. No Estado há muitos profissionais qualificados mas é uma máquina em colapso há muito – onde ninguém sabe a que ordens deve obedecer e porquê. Porque não há confiança. E nenhum lugar funciona sem confiança, base do empenho real do trabalho. Pedrógão e Borba não foram “acidentes” – é estrutural da crise nacional. As ordens são geralmente contraditórias, às vezes absurdas e quando funcionam é porque os bons funcionários resolverem não as cumprir.

Vivemos numa democracia – o direito de reunião é livre. O governo não pode autorizar ou não uma reunião política. Ela está autorizada pela Constituição. Um conselho de saúde: atenção ao vigilante e ao denunciante potencial que há dentro de cada um. O medo, se cresce, paralisa.

Não vou à festa do Avante, mas é muito correcto que ela se realize. A DGS, se me permitem a graça em dias de férias, podia ir lá também aprender algo sobre coerência e organização. Ser resiliente, atencioso e ter boas agências de comunicação não resolvem problemas. No PCP não há muita simpatia, nem boa comunicação moderna, mas sabem organizar-se. É isso que se pede para a festa ter lugar.

Saúde e bom Sábado!

 

Obs: por motivos de ordem técnica, não conseguimos, de momento, efetuar a atribuição da titularidade do artigo ao seu autor, neste caso a Raquel Varela. Tal situação será corrigida tão breve quanto possível. Publicação original do blogue da autora em 13082020.

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de multibanco ou netbanking.

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categories: Crónica, Sociedade

About Author

Raquel Varela

Raquel Varela é Historiadora, Investigadora e professora universitária/ Universidade Nova de Lisboa /IHC e Fellow do International Institute for Social History (Amsterdam). Foi Professora-visitante internacional da Universidade Federal Fluminense. É coordenadora do projeto internacional de história global do trabalho In The Same Boat? Shipbuilding industry, a global labour history no ISSH Amsterdam / Holanda. Autora e coordenadora de 25 livros sobre história do trabalho, do movimento operário, história global. Publicou como autora 51 artigos em revistas com arbitragem científica, na área da sociologia, história, serviço social e ciência política. Foi responsável científica das comemorações oficiais dos 40 anos do 25 de Abril (2014). Em 2013 recebeu o Santander Prize for Internationalization of Scientific Production. É editora convidada da Editora de História do Movimento Operário Pluto Press/London e comentadora residente do programa semanal de debate público O Último Apaga a Luz na RTP.

Write a Comment

Only registered users can comment.