Tiago Simães

Talento Made in Guimarães | Igor Gonçalves

Talento Made in Guimarães | Igor Gonçalves

Pub

 

 

A pessoa

O Igor Gonçalves é uma pessoa pela qual eu poria a mão no fogo todas as vezes que fosse necessário. Uma pessoa com quem se pode sempre contar, um verdadeiro amigo, honesto, sincero, responsável, um grande profissional. Acima de tudo uma excelente pessoa, um exemplo de competência, humanidade, humildade, bom gosto e bom senso. Veste a camisola pelos projectos e apaixona-se pelo que faz. Caso nunca tenha dito, digo agora: obrigado Igor, por tanto (tu sabes).

 

O trabalho e a criação

O Igor terminou o Curso Tecnológico de Artes e Ofícios (pintura/escultura) e frequentou depois a Licenciatura em Artes Plásticas na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e, posteriormente, a Licenciatura em Artes/BD/Ilustração na ESAP – Guimarães.

Ao longo da sua atividade profissional participou em várias exposições coletivas e individuais e em fanzines. Neste domínio destaca-se, em 2016, a obra de sua autoria “É o fim?”, integrada no projeto de intervenção espacial e performativa “Impressões Expressas”, no âmbito da Feira do Livro do Porto 2016. Em 2019, a exposição individual “Facing Identity” no CAAA – Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura, integrado na programação DGArtes.

Foi coautor na criação da sonoplastia de vários projectos multidisciplinares – “Fio Condutor”, Joana Antunes (2008); “Human Box”, Joana Antunes (2009) – assim como no teatro na peça “O Vigilante Noturno”, Teatro da Didascália (2018). Trabalhou com o Maestro Tim Steiner no âmbito do projecto “Big Bang”, Capital Europeia da Cultura Guimarães 2012, como líder de naipe de percussão.

Igo Gonçalves estudou bateria com Hugo Danin (Atelier de Percussão do Porto), Filipe Monteiro (Escola de Jazz do Convívio) e obteve formações pontuais com André Silva, Mário Gonçalves e Marito Marques. Atualmente estuda com Francisco Lima (Armazém 508).

Tocou e gravou nos projetos musicais Egon (2012), Utter (2012-2013/2020) e Paraguaii (2014-2017). Na qualidade de músico de sessão participa nos projectos musicais Vitor Peixeiro Duo (2019) e Waze (2020). Criou, em 2019, a Drumbox, um espaço/projeto de aprendizagem e convívio focado na bateria, situado em Guimarães.

A pintura e o desenho são estruturais na forma como imageticamente aborda a música. O sentido inverso é também parte integrante da sua obra, na medida em que a música desempenha um papel crucial na criação de novos temas na linguagem plástica.Paralelamente, o Igor desempenha funções como Produtor no CAAA Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura. Em 2019, esteve também envolvido na Bienal de Arte Contemporânea da Maia na qualidade de Produtor Técnico.

#talentomadeinguimaraes #igorgoncalves

 

Obs: por motivos de ordem técnica, não se encontra assinalado que o artigo é da autoria de Tiago Simães, informação que será corrigida tão breve quanto possível. O mesmo acontece em relação ao conjunto de imagens que faz parte deste conteúdo, que serão igualmente incluídas tão breve quanto possível.

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de multibanco ou netbanking.

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Sociedade

About Author

Tiago Simães

Tiago Simães é natural de Guimarães, onde nasceu em 1980. Após frequentar o Conservatório Regional de Guimarães e a Academia Valentim Moreira de Sá, ingressa na Escola Superior de Música e das Artes do Espectáculo do Porto, onde se graduou em Formação Musical Específica. Em Itália e Portugal, Estuda Regência Coral, Piano e Composição e Música - Teoria e Pedagogia, na Universidade de Aveiro. Tem participado em inúmeros projectos como artista integrante ou convidado, concertista ou maestro, a solo ou ensemble, tendo-se apresentado em diferentes palcos nacionais e internacionais e em vários estilos musicais e artísticos Lecciona Formação Musical e Classes de Conjunto no Conservatório de Música de Felgueiras desde 2005, tendo aí sido Director Pedagógico. Entre 2009 e 2014 exerce o cargo de Coordenador da Licenciatura em Educação Musical, no Instituto Superior de Ciências Educativas de Odivelas – Pólo de Felgueiras. Foi Director Artístico e Programador da Associação Círculo de Arte e Recreio, entre 2009 e 2013. Colaborou activamente na organização e execução do evento Guimarães 2012 – Capital Europeia da Cultura, tendo sido convidado a integrar o Projecto da Área de Comunidade “Outra Voz” como Regente Coral. Compõe o tema sinfónico “Guimarães 2012 – Obra para Orquestra e Coro” interpretado pela FOE sob a direção de Rui Massena. Foi ainda membro da Direcção do Projecto Tempos Cruzados. Enquanto membro directivo da Associação Convívio - entre 2011 e 2013 – é co-fundador e criador da Escola de Jazz do Convívio (Outubro de 2012), da qual foi docente e Director Pedagógico. É fundador do festival “O Verão é Jazz!”. Em 2013 cria o B-JAZZ: Convívio Jazz Choir, do qual é Maestro e Director Artístico até ao presente.. Colabora activamente com inúmeros projectos musicais de todas as áreas, enquanto produtor, músico de estúdio ou/e performer (Let the Jam Roll, José Malhoa, Azeitonas, etc...). É co-responsável pela componente musical do Festival Guimarães Noc Noc. Foi membro da Direcção Executiva e Coordenador do FMRG (Festival de Música Religiosa de Guimarães) desde a sua fundação até 2017 e exerceu as funções de coordenador do FIGG (Festival Internacional de Guitarra de Guimarães) entre 2016 e 2018. Foi co-regente e membro do projecto. Exerceu as funções de co-gestor e programador do São Mamede Centro de Artes e Espectáculos, Director Musical do espectáulo “Humanário Paralelamente à carreira de músico e pedagogo, é empresário, nomeadamente da MVJ e da Relógio de Ideias Produções. É programador do evento anual “Os Clássicos vão ao Interior”, divulgando música erudita pelo interior remoto. Escreve regularmente textos, crónicas e artigos de opinião para vários suportes e sobre os mais variados temas. Lançou o seu primeiro livro “Todos os dias ou não” em Março de 2020 pela Editora Astronauta e está previsto o lançamento do segundo ainda durante o mesmo ano.

Write a Comment

Only registered users can comment.