Incentivo municipal estimula fixação de jovens no concelho

Viver | Subsídio Municipal ao Arrendamento beneficia quase meia centena de jovens em Santo Tirso

Viver | Subsídio Municipal ao Arrendamento beneficia quase meia centena de jovens em Santo Tirso

Pub

 

 

Em pouco mais de um ano, quase 50 jovens já beneficiaram do Subsídio Municipal ao Arrendamento da Câmara de Santo Tirso. A média de idades de quem tem usufruído desta medida ronda os 30 anos. Os solteiros com filhos e sem filhos são os que mais recorrem a este apoio que prevê uma comparticipação na renda da casa entre os 60 e os 180 euros. “Queremos, cada vez mais, ser um Município inclusivo e que apoia os jovens”, alude o presidente da Câmara de Santo Tirso, Alberto Costa.

O Subsídio Municipal ao Arrendamento já ajudou quase meia centena de jovens no pagamento da renda mensal das suas habitações. Cerca de um ano após a medida ter sido alargada aos jovens, permitindo a quem tem entre 18 e 35 anos usufrua de uma majoração no apoio de 20 por cento, o presidente da Câmara de Santo Tirso, Alberto Costa, mostra-se satisfeito com os resultados obtidos: “É uma medida importante, não só do ponto de vista social, mas também como forma de fixar os jovens no concelho”.

De acordo com os últimos dados disponíveis, a média de idades de quem recorre a este apoio da autarquia ronda os 30 anos, sendo que 38,1 por cento dos agregados familiares que beneficiam da medida são compostos por dois elementos e 26,2 por cento é constituído por um elemento. Segundo Alberto Costa, uma das mais-valias reside no facto de “não ser exigido nenhum período de residência no concelho anterior à candidatura”. Ou seja, explica, “isto permite que jovens de outros concelhos se fixem em Santo Tirso e, desta forma, ajudem na dinamização do Município”.

Ainda de acordo com os dados estatísticos disponíveis, são os jovens solteiros com filhos (31 por cento) e os jovens solteiros sem filhos (26,2 por cento) aqueles que mais têm recorrido ao Subsídio Municipal de Arrendamento. Relevante é, também, a percentagem de casais com filhos que usufruíram ou usufruem da medida: 23,8 por cento.

Em termos de tipologias, os beneficiários do Subsídio Municipal ao Arrendamento concentram-se esmagadoramente (69 por cento) em casas T2. Os T3 são ocupados por 19 por cento dos jovens abrangidos.

Em 1997, Santo Tirso foi um dos primeiros municípios do país a criar um programa de apoio ao arrendamento. Em 2019, uma revisão ao regulamento permitiu abranger os jovens nesta medida de apoio financeiro no pagamento da sua renda mensal. A comparticipação varia entre os 50 e os 150 euros, de acordo com os rendimentos e o valor da renda. Mas os agregados familiares com idade igual ou superior a 18 anos e inferior a 35 anos beneficiam de uma comparticipação majorada em 20 por cento sobre o escalão que lhe for atribuído, ou seja, os apoios podem ir de 60 a 180 euros.

Todos os jovens candidatos têm de fazer prova de candidatura ao Porta 65 Jovem e que não beneficiam deste apoio ao arrendamento pelo Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana. A candidatura pode ser feita através do Serviço da Ação Social da Câmara de Santo Tirso e os apoios são dados de acordo com os rendimentos do agregado familiar e a tipologia da casa.

 

Fonte e Imagem: Município de Santo Tirso

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte para o email vilanova@vilanovaonline.pt caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Sociedade

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.