Existem 6 estirpes principais do vírus da Covid-19, havendo também outras mutações menos frequentes

Genética | A distribuição mundial das estirpes de SARS-CoV-2

Genética | A distribuição mundial das estirpes de SARS-CoV-2

 

 

O vírus causador da pandemia de Covid-19, SARS-CoV-2, apresenta pelo menos seis estirpes. Apesar de suas mutações, o vírus apresenta pouca variabilidade, o que é uma boa notícia para os pesquisadores que trabalham em uma vacina viável.

Estes são os resultados do estudo mais extenso já realizado sobre o sequenciamento do SARS-CoV-2. Investigadores da Universidade de Bolonha extraíram a análise de 48.635 genomas de coronavírus, que foram isolados por pesquisadores em laboratórios de todo o mundo. Este estudo foi publicado na revista Frontiers in Microbiology sob  o título “Distribuição geográfica e genómica das mutações SARS-CoV-2“, cujos autores são Daniele Mercatelli e Federico M. Giorgi, ambos do Departamento de Farmácia e Biotecnologia da Universidade de Bolonha. Foi então possível aos investigadores mapear a propagação e as mutações do vírus durante sua jornada por todos os continentes.

Os primeiros resultados são encorajadores. O coronavírus apresenta pouca variabilidade, cerca de sete mutações por amostra. A gripe comum tem uma taxa de variabilidade que é mais do que o dobro.

“O coronavírus SARS-CoV-2 presumivelmente já está otimizado para afetar seres humanos, e isso explica a sua baixa mudança evolutiva”, explica Federico Giorgi, investigador da Universidade de Bolonha e coordenador do estudo. “Isso significa que os tratamentos que estamos a desenvolver, incluindo uma vacina, podem ser eficazes contra todas as estirpes do vírus”.

Atualmente, existem seis estripes de coronavírus. A original é a estirpe L, que apareceu em Wuhan em dezembro de 2019. A sua primeira mutação – a estirpe S – apareceu no início de 2020, enquanto, desde meados de janeiro de 2020, temos as estirpes V e G. A estirpe G é a mais difundida: sofreu mutação nas cepas GR e GH no final de fevereiro de 2020.

“A estirpe G e suas cepas relacionadas GR e GH são de longe as mais difundidas, representando 74% de todas as sequências de genes que analisamos”, diz Giorgi. “Eles apresentam quatro mutações, duas das quais são capazes de alterar a sequência da RNA polimerase e das proteínas Spike do vírus. Essa característica provavelmente facilita a disseminação do vírus”.

Se olharmos o mapa do coronavírus, podemos ver que as cepas G e GR são as mais frequentes na Europa e Itália. De acordo com os dados disponíveis, a cepa GH parece quase inexistente na Itália, embora ocorra com mais frequência na França e na Alemanha. Isso parece confirmar a eficácia dos métodos de contenção dos últimos meses.

Na América do Norte, a estirpe mais difundida é GH, enquanto na América do Sul encontramos a cepa GR com mais frequência. Na Ásia, onde a estirpe Wuhan L apareceu inicialmente, a disseminação das cepas G, GH e GR está a progredir. Essas cepas desembarcaram na Ásia apenas no início de março, mais de um mês após sua disseminação na Europa.

Globalmente, as estirpes G, GH e GR estão constantemente a aumentar. A cepa S pode ser encontrada em algumas áreas restritas nos Estados Unidos e na Espanha. As cepas L e V têm vindo a desaparecer gradualmente.

Além dessas seis estirpes principais de coronavírus, os pesquisadores identificaram algumas mutações pouco frequentes, que, no momento, não são preocupantes, mas devem ser monitorizadas.

“Mutações genómicas raras são menos de 1% de todos os genomas sequenciados”, confirma Giorgi. “Porém, é fundamental que os estudemos e analisemos para que possamos identificar a sua função e monitorizar a sua disseminação. Todos os países devem contribuir para a causa dando acesso a dados sobre as sequências do genoma do vírus”.

 

Fonte: Universidade de Bolonha; Imagem: NIAID/UNIBO/VN

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabaVer artigolho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Categories: Ciência

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.