Anabela Ramos

Sabores | Sardinha: um peixe diferente e afinal um peixe tão rico

Sabores | Sardinha: um peixe diferente e afinal um peixe tão rico

Pub

 

 

Chegam os santos populares e começa o tempo da sardinha. Sim, porque é no final da Primavera, até meados do Outono, que esta adquire o máximo da sua gordura, que depois utiliza para produzir os ovócitos e espermatozoides necessários à fase reprodutiva. A sardinha fica gorda, saborosa e a pingar no pão! E as gentes do povo aprenderam a saboreá-la e a guardá-la, bem salgada, em potes de barro ou em barril, para depois se comer ao longo do Inverno.

Mas de onde vem este hábito de comer sardinha?

A costa portuguesa sempre foi pródiga de sardinhas e os portugueses, sobretudo os mais pobres, habituaram-se desde os tempos antigos a alimentar-se quotidianamente com este peixe bom e barato. No século XVIII dizia-se que era o peixe “que melhor sofre do sal” e que depois de salgada durava dois anos sem se deteriorar. Mas também se dizia que era muito pingue e oleosa fazendo mal ao estômago, embora se reconhecesse que era de “excelente sabor”. Estas qualidades, de sabor e apetência para uma longa conservação, davam origem a que se tornasse num recurso importante em regiões mais distantes do mar ou para os dias em que o peixe fresco não abundava e a igreja impunha o seu consumo. Do mesmo modo, era presente nos navios que, desde o século XVI, rumavam à Índia em busca das especiarias. Mas também chegava à mesa do Rei. Observámo-la, por exemplo, à mesa de D. João III e de D. Mariana de Áustria, segunda mulher de Filipe III de Portugal, que, estando grávida, teve desejos de sardinha… Mas estas são situações excepcionais porque ao observarmos os receituários portugueses desde o século XVI praticamente não encontramos receitas de sardinha. Pois se ela pouco entrava nas mesas nobres também não importavam registos deste peixe. No entanto, pelas poucas receitas existentes percebemos que se comiam fritas, em molho de escabeche, recheadas e, naturalmente, assadas na brasa, eternizadas no rifão “cada um puxa a brasa à sua sardinha”. Mas também em algumas zonas do país se tornou acepipe para caldeiradas ou para o arroz malandro, que casa na perfeição com o tomate e a petinga. Registamos ainda, no século XVII, uma receita curiosa de “escabeche de sardinhas e mais peixe pera levar pera a India se for necessário” anotando-se no final que “desta maneira vão a India e eu as levei a Roma fresquíssimas de Lisboa”.

Sardinhas que vão à Índia e vão a Roma, que andam por aí, de mão em mão, por cima do pão. Sardinhas embarriladas numa boa salga ou num bom escabeche. Sardinhas que, depois do século XIX, se comem com batatas cozidas bem temperadas com azeite e alho.

Sardinhas do povo, vendidas pela sardinheira e não pela peixeira. Registadas nos documentos como sardinha e não como peixe. Um peixe sim, mas um peixe diferente e, afinal, um peixe tão rico! Hoje sabemos que tem cálcio e ácidos gordos polinsaturados, sendo apenas necessárias 14 gramas de sardinha para fornecer os 500 mg da dose diária recomendada na prevenção de doenças cardiovasculares.

Quem diria que a comida do pobre era assim tão nutritiva!

Imagem: (0) Da Horta para a Cozinha, (1) DGS

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Crónica, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Anabela Ramos

Historiadora.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.