Tecnologia ‘H2Color-Aux’ reduz água, energia e tempo com benefícios ambientais e redução de custos

Têxtil | EcoFoot de Guimarães, ‘spinoff’ da Universidade do Minho, distinguida pelo Conselho Europeu de Inovação

Têxtil | EcoFoot de Guimarães, ‘spinoff’ da Universidade do Minho, distinguida pelo Conselho Europeu de Inovação

Pub

 

 

A EcoFoot, nascida na Escola de Engenharia da Universidade do Minho (EEUM), é a primeira empresa portuguesa financiada pelo Conselho Europeu de Inovação no âmbito do Pacto Ecológico Europeu (Green Deal). A sua tecnologia de tingimento – H2Color-Aux – pode revolucionar a indústria têxtil mundial: reduz em 70% o consumo da água, em 60% a energia gasta e em 50% o tempo nas lavagens, tendo claros benefícios no ambiente, nos custos e na produção de tintas. A Ecofoot está assim entre as primeiras 64 PME de 17 países da UE eleitas para receber um total de 307 milhões de euros, de modo a contribuir para o Green Deal e o Plano de Recuperação para a Europa.

spin-off sediada em Guimarães vai agora produzir 24 toneladas do seu composto inovador para validação interna e validação da sua eficácia junto de duas tinturarias em Portugal e uma em Itália. Vai também aproximar aquela tecnologia do seu lançamento comercial, aliando estratégias de propriedade intelectual e comunicação. A “H2Color-Aux” remove mais facilmente o excesso de corante aplicado, graças a uma camada polimérica que se forma entre o corante e a fibra e depois se decompõe, mantendo a cor intensa, uniforme e sólida à lavagem ou ao atrito, mesmo com um número menor de lavagens e a uma temperatura mais baixa.

As vantagens do projeto devem sentir-se a médio prazo. A aplicação põe então fim à utilização de detergentes que são normalmente utilizados na remoção do excesso de corante, que são poluentes e de difícil eliminação e prejudiciais à fauna e flora. Em certas zonas do globo, os governos estão a fechar indústrias de tingimento por falta de abastecimento de água limpa e devido à poluição dos rios e solos envolventes, que impede a agricultura.

EcoFoot foi fundada por Jaime Rocha Gomes, professor catedrático do Departamento de Engenharia Têxtil da EEUM e investigador do Centro de Ciência e Tecnologia Têxtil (2C2T), com o objetivo de reduzir os gastos excessivos em água e energia nas lavagens posteriores de fibras celulósicas tingidas com corantes reativos. Este conceito venceu o Grande Prémio BES Inovação em 2011. Jaime Rocha Gomes tem um percurso de transferência de tecnologia da universidade para a indústria via spin-offs, tendo também fundado a Micropolis, com microcápsulas inovadoras para aplicações têxteis, que seria adquirida pelo grupo belga Devan Chemicals, e a Ecoticket, uma spin-off de acabamentos antimicrobianos e repelentes de insetos, entretanto rebatizada Repeltec.

O Conselho Europeu de Inovação apoia empresários visionários que criam soluções transformadoras para enfrentar desafios societais e ambientais prementes. As empresas em fase de arranque e PME agora distinguidas vão expandir, criar emprego e dar à Europa a liderança mundial nas tecnologias e soluções ecológicas, referiu a comissária da Inovação, Investigação, Cultura, Educação e Juventude, Mariya Gabriel. Outras propostas vencedoras abordam desde os setores automóvel, aeroespacial e marítimo aos materiais avançados ou à Internet das coisas.

Fonte e Imagens: UM

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.