António Fernandes

Gente | Poesia popular e o edil bracarense

Gente | Poesia popular e o edil bracarense

Pub

 

 

António Aleixo deixou-nos um vasto exemplo do saber popular traduzido em quadras soltas que dizia nos locais que frequentava.

Numa delas, dizia António Aleixo:

– “Eu não sei porque razão

certos homens, a meu ver,

quanto mais pequenos são,

maiores querem parecer!”

Esta liminar forma de olhar os homens, julgando a sua forma de ser, estar e agir para com o semelhante, ajusta-se na perfeição ao  edil bracarense que, de andar gingão, pensará – presumo – ser possuidor de predicados superiores de que, infelizmente, não dispõe.

António Aleixo, no seu saber popular, fundamentou a palavra e o verbo do comportamento social típico da mediocridade e da ignorância dita letrada, com que nós, Bracarenses, somos quotidianamente confrontados por obrigação no preciso momento em que saímos do perímetro da nossa residência:

– acessos paupérrimos devido ao abandono a que o edil os votou;

– transportes públicos que nada têm a ver com as nossas necessidades, de que o edil é o primeiro responsável;

– abandono e consequente degradação do edificado urbano histórico no percurso que fazemos e de que o edil é responsável por inércia;

– abandono, degradação e falta de ideias para a arquitetura paisagista envolvente ao percurso, de que o edil é o principal responsável por desleixo;

– entre um inumerável registo de anormalidades da responsabilidade do município e, logicamente, do edil que a ele preside.

Perante a sua pequenez política de ser capaz de cumprir o que prometeu aos Bracarenses, o edil aprumou a pose, esticou o perfil e faz uma manobra de diversão:

– apropriou-se de feitos alheios para projetar uma imagem que não é a sua;

– construiu um pedestal em barro mal cozido que a seu tempo ruirá.

E ruirá porque o “atestado” que pretende passar aos Bracarenses é um “atestado” que só serve ao seu emissor: o próprio!

Não serve a mais ninguém.

Porque:

1 – o edil bracarense não foi sequer capaz de mudar a estrutura da sua equipa que deu mostra de incompetência extrema durante um mandato de quatro anos;

2 – o edil bracarense, na sua intervenção política e social, deu mostra de estar refém de interesses externos ao município e aos seus munícipes;

3 – o edil bracarense montou em seu redor uma teia apertada de propaganda cuja quantificação de custo não conseguimos apurar;

4 – o edil bracarense não cumpre para com os Bracarenses nas derivas porque envereda em plena Assembleia Municipal;

5 – o edil bracarense não fez rigorosamente nada daquilo que prometeu e se comprometeu nos domínios que interessam ao domínio publico, tendo inclusive tentado subverter esse mesmo domínio ao comprometer as soluções para a AGERE, S. Geraldo, Confiança, Mercado Municipal, Sete Fontes, Escola Francisco Sanches, Quinta das Portas, entre muitos outros motivos do interesse público municipal.

Registo por isso um epíteto de um ilustre Bracarense que, não tendo medalha de ouro, terá com certeza uma estátua e uma rua ou avenida com o seu nome:

– O edil de Braga é um bluff!!!

De facto, aquilo que hoje constatamos é que, o nosso edil é, um bluff, na dimensão da sua plenitude.

 

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Crónica, Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

António Fernandes

António da Silva Fernandes nasceu em 1954, em S. José de S. Lázaro e reside atualmente em S. Mamede de Este, em Braga. É chefe de serviços da Alcatel. Como dirigente associativo, esteve e/ou está envolvido com: ACARE; GETA; Academia Salgado Zenha; Academia Sénior Dr. Egas; Associação de Pais da Escola Dr. Francisco Sanches; APD - Associação Portuguesa de Deficientes; Associação de Solidariedade Social de Este S. Mamede. Ao longo da sua vida, desenvolveu atividade política no MDP/CDE; JCP; PCP; LIESM-Lista Independente de Este S. Mamede; Comissão Política do Partido Socialista - Secção de Braga; Clube Político do Partido Socialista - Secção de Braga. Na política autárquica, desempenhou funções na Assembleia de Freguesia e no Executivo da Junta de Freguesia de Este S. Mamede. Desenvolve atividade na escrita: Poesia em antologias nacionais e plataformas digitais; Artigos de Opinião em Órgãos de Comunicação Social local e nacional, em suporte de papel e digital quer em blogues quer em Órgãos da Comunicação Social escrita. Colaborador na Rádio: R.T.M. (Solidariedade); Antena Minho (Cumplicidades).

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.