Zélia Gonçalves

Ensino | ‘Hakuna Matata’ com o Hypatiamat

Ensino | ‘Hakuna Matata’ com o Hypatiamat

Pub

 

 

Literalmente, “hakuna” significa “não há” e “matata” significa “preocupação” ou “problema”, na matemática, se utilizarmos a plataforma do Hypatiamat que, em boa verdade, se encontra “à distância de um clique”.

Nestes tempos é mais fácil dizer ou escrever do que fazer, contudo é inevitável. Estes dias, é inegável que estamos mais presentes, em família, mas também no trabalho e a trabalharmos com os/as nossos/as filhos /as sob orientação do/a professor/a, sempre que possível num ambiente tranquilo e firme. É uma forma diferente de estar na vida, mas esta continua e não há dúvida que temos uma incrível capacidade de adaptação; e assim o temos feito, com rigor e a seriedade que compete.

Toda a criança nasce predestinada para aprender. A criança aprende tudo, uma vez que esta é a sua forma de sobreviver e a forma de se tornar mais humana, repetindo o que aprende com aqueles que estão à sua volta, também porque o cérebro das crianças até aos 6/7 anos é capaz de absorver toda a informação muito mais facilmente, dado que estão na base da construção e vão enraizar comportamentos e crenças facilmente. Agora, mais do que nunca, é absolutamente crucial que possamos – pais, professores/as – avós, tios/as, irmãos/ãs… – dar-lhes todas as ferramentas possíveis para que possam crescer, com autonomia, autorregulação, consolidação e ritmo.

Com o Hypatiamat ‘Quero aprender, Quero resolver, Quero jogar’

Nesta plataforma encontramos uma ampla variedade de recursos digitais interativos, incluindo aplicações (apps) e jogos construídos para promover aprendizagens, com atividades consistentes com aprendizagens mais ativas, baseadas na resolução de problemas que providenciam feedback imediato, promovendo assim o desenvolvimento matemático dos/as alunos/as, em especial os do 1.º Ciclo que têm um espaço próprio dentro desta plataforma, e aquando o seu uso frequente se verifica uma melhoria contínua das competências da matemática.

Os três pilares principais desta plataforma orientada de forma direta para os/as alunos/as baseia-se no: Quero aprender, Quero resolver, Quero jogar. A importância aqui dada ao verbo querer não é por acaso, é preciso querer para se fazer, com tenacidade, “A persistência é o caminho do sucesso”, já o dizia Charles Chaplin.

Esta plataforma inovadora dá a autonomia, a criatividade, estimula o cálculo mental, a liberdade, a segurança e a tranquilidade para que os/as alunos/as possam experimentar os vários conteúdos e passem a saber olhar e saber fazer de uma forma lúdica e motivadora, aprendendo e treinando. Saem todos a ganhar e mais felizes porque compreendem, percebem e acertam.

Em momentos de contingência também se pode trabalhar e aprender

O Governo de Portugal, no âmbito de um conjunto de medidas devido à pandemia Covid-19, decidiu suspender todas as atividades escolares (letivas e não letivas) presenciais, a partir de 16 de março de 2020. A implementação do estado de emergência e as medidas suplementares decretadas, como é do conhecimento público, foram no sentido da forte recomendação para o isolamento social, restringindo a circulação de pessoas, com uma clara diretiva para que estas ficassem em casa. Neste caso, adequando ao contexto escolar, e para que os/as alunos/as, pessoal docente e não docente ficassem em casa, privilegiando o trabalho à distância (não presencial); havendo, também, o acesso condicionado aos estabelecimentos escolares.

Naquele momento, deparámo-nos, de súbito, com o ensino não presencial. Com base no princípio de mitigação do isolamento, em que estiveram e poderão estar novamente muitas das crianças e jovens, no meu entender devemos fomentar o uso de ferramentas como esta plataforma, usadas outrora no contexto de sala de aula. Deste modo podemos mais facilmente criar rotinas de trabalho apelativas, capazes de desenvolver aprendizagens consistentes.

 

Imagem: Hypatiamat

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Zélia Gonçalves

Zélia Gonçalves é mestre em Literatura Moderna e Contemporânea, tem o Curso de Pós Graduação em Educação Especial e Especialização em Igualdade de Género. Professora do 1º ciclo, do 2º ciclo de Português e de Educação Especial na EB2/3 Júlio Brandão, Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco, V. N. de Famalicão. Formadora – nas áreas de Português; Educação Especial; Sensibilização à Educação Especial, Educação Parental e Igualdade de Género. Co-autora do livro “Ver de Ver a diferença”.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.