Hugo Moreira

Ambiente | Coragem: Deus está a soro

Ambiente | Coragem: Deus está a soro

Pub

 

 

Deus é o acaso. Não queiras matar o acaso por favor. Filósofos como Nietzsche e outros antes dele dizem que Deus está morto, mas eu ainda tenho esperança que ele está vivo. “Até amanhã, se Deus quiser.”. Não é como quem diz, Deus é omnipotente e só ele sabe se eu te vejo, mas sim até amanhã se por acaso nos virmos. O acaso e as coincidências fazem-me acreditar que Deus existe, mas tanto lhe bateram, manipularam e maltrataram que ele está a soro. Mas quem fez isso? O homem, pois claro.

O homem tudo manipula. Até para que os tomateiros deem fruto existem caixas de abelhas dentro de cada estufa. Os tomateiros são capados e guiados para que só cresçam aquilo que o homem quer. A natureza virou uma máquina. As vacas, por exemplo, são inseminadas artificialmente e o seu esperma é escolhido consoante o tipo de vaca que queremos obter, se para produção de carne, se para produção de leite. Os animais para consumo viraram robots. O homem ali no monte bem tenta dizer – que linda floresta!, mas não. Não é mais do que uma plantação de eucaliptos ou pinheiros. E os animais lá colocados vêm de criações em cativeiro para que se faça o gosto do caçador. Buscadores e buscadoras de Deus: coragem, Deus está a soro!

É verdade que o homem deve ser superado de modo a tornar-se na sua melhor versão. Não devemos ser medíocres, mas sim procurar sermos bons naquilo que fazemos, mas que direito temos nós de manipular a situação? Rios, ar, mar, oceano, terra, cimento e madeira. Vamos esgotar todos os créditos, game over e ao fim metemos nova moedinha? Não queiram matar Deus, porque depois de morto ainda ninguém cá apareceu para contar como é.

Na vida, até podemos não ser aquilo que sempre ambicionamos ser, mas algo em nós sentia curiosidade em o fazer, em o ser e ter esta experiência de vida no momento. O devir há-de chegar e até lá aceita o melhor de nós. Aceita que és assim. Aceita também o acaso, aquilo que nos chega porque a coincidência de encontrar aquela pessoa, naquele lugar, àquela hora, é uma visão do caminho. O caminho que te leva à tua melhor versão.

 

Imagem: Markus Winkler/VN

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Crónica, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Hugo Moreira

Hugo Cristiano Gomes Moreira, nascido em 1988, trabalhador-estudante. Estudante de Engenharia Florestal na UTAD em Vila Real, com passagens nos cursos primeiro de Engenharia Electrónica (4 anos) e anos depois em Engenharia Têxtil (2 anos) na Universidade do Minho em Guimarães. Busca pelo conhecimento não só pela informação dada pelos livros, mas também pela experiência da vida. Trabalhador desde o primeiro ano de universidade sem ser viciado em trabalho. Restauração, indústria têxtil e inspeções de mercadorias. Atualmente encontra-se a trabalhar em bombas de combustível e a frequentar último ano da licenciatura em engenharia florestal após uma fase de viagem a Marrocos de carro com os amigos, apanha da maçã em França, voluntariado no Gerês, Gaia e Famalicão e viagem a sós por Portugal de Norte a Sul e de Sul para Norte.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.