Ilídio Torres

Olimpismo | Fair play: desportivismo à moda antiga

Olimpismo | Fair play: desportivismo à moda antiga

Pub

 

 

Um episódio de um tempo ido mas de um incomensurável alcance.

O significado, um desfecho tão raro no conturbado mundo do desporto em que a luta pela vitória está muitas vezes aliada a comportamentos execráveis.

Felizmente, este, um exemplo para muitos, aconteceu numa carismática época em que as olimpíadas tomavam, finalmente, o rumo desejado. Nos Jogos Olímpicos de Londres, em 1908, deu-se a demonstração inequívoca do desportivismo, do tão apregoado fair play.

O público assistente seguia as provas de luta greco-romana que se desenrolavam ao alcance dos seus olhares e que as sucessivas eliminatórias haviam determinado dois finalistas, dois lutadores suecos, o Frithiof Martenson e o Mauritz Andersson.

Em determinado momento do combate, um dos atletas, Mauritz Andersson, solicitou ao juiz a sua vontade, a sua intenção de interromper por algum tempo o combate a fim de permitir que o seu adversário recuperasse de algo que o apoquentava, evidente no seu estado físico que ia dando conta de algo anormal. Na verdade, Frithiof Martenson estava com algo, um problema impeditivo de continuar. Mais ainda, Andersson voltou a informar o juiz que aguardava o tempo que fosse necessário para a recuperação do rival porque era seu desejo que a vitória fosse decidida em combate e não por uma qualquer lesão.

O juiz atendeu o atleta e deu indicações ao adversário para interromper o combate, ser visto e… curado! E foi mesmo porque o resultado final haveria de ser o contrário do que se esperava. O lesionado recuperou da lesão temporária e parece ter entrado com forças redobradas porque acabaria por vencer o combate.

Martensson acabou por derrotar o amigo que permitiu a sua recuperação física quando poderia beneficiar da sua lesão e vencer o combate.

Impensável nos dias que correm, neste mundo do desporto, um inusitado e louvável comportamento.

Incrível.

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Crónica, Desporto

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Ilídio Torres

Membro da Academia Olímpica de Portugal, órgão do Comité Olímpico de Portugal.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.