Hugo Moreira

Democracia | Será que todos devemos ter direito a votar?

Democracia | Será que todos devemos ter direito a votar?

Pub

 

 

A conquista do direito de voto nasceu a par com a comunicação social e com ela a manipulação das massas. Se éramos poucos no início do século XX, com o baby boom a população duplicou de número ou ainda mais, e outras coisas foram criadas para controlar as pessoas como se de um rebanho de ovelhas se tratasse. Depois dos jornais, a rádio, e depois a televisão – que vem do inglês “tell a vision” – para chegar ao cúmulo de nos lares portugueses haver quase uma televisão por cómodo, só falta na casa de banho e corredor.

A manipulação é global e entra com facilidade nas nossas casas sem que leve um filtro para reter apenas aquilo que é mais importante. A situação atual do vírus é a evidência desse poder que atua sobre nós e nos constrói o pensamento mesmo antes de dizer “Espera lá, isso é mesmo assim? O que dizem nas notícias é verdade?”.

A internet e as redes sociais vieram acrescentar mais água a este turbilhão de informação. O tempo da internet por linha telefónica ou por cabo digital tornava-a mais restrita a um dado número de pessoas que a utilizavam de uma forma mais consciente. Eram os primórdios da internet para uso doméstico. Com a chegada da publicidade e o acesso a todos, isto da internet parece uma salganhada, tal como aquele estufado tão gorduroso em que tens de tirar a massa e o acompanhamento para o lado para não ficar mal disposto. Conclusão, todos têm direito a dar a sua opinião, mas será uma qualquer opinião válida? Posso eu opinar sobre a melhor guitarra para mim se não sei sequer afinar esse instrumento musical. O melhor é pedir ajuda a quem percebe da matéria, certo? Acho que foi sempre assim, mas pelos vistos agora, com os mídia, temos um novo ser em nós: aquele que tudo critica. Pois é, meus senhores e minhas senhoras, o objetivo dos estudos especializados com mestrados, doutoramentos e pós-graduações faz com que saibamos apenas aquilo no qual nos especializamos e não naquilo que é importante para formar uma opinião válida sobre tudo para que seja merecido o nosso direito a voto.

É importante saber de tudo um pouco e grandes mestres do passado como Leonardo da Vinci, Miguel Ângelo entre outros, sabiam de umas quantas áreas… matemática, medicina, pintura, etc. Uma vez fizeram uma experiência com um senhor que trabalhava numa fábrica de automóveis e durante 36 anos meteu a porta do carro do lado direito. Um dia disseram-lhe: “-olha, hoje vais meter a porta do lado esquerdo”. O homem não sabia o que fazer, estava tudo ao contrário. É claro que, naquele momento, ele não sabia montar a porta do lado esquerdo, mas para tudo há um aprendizado. O mais interessante na vida talvez seja isso: aparece-nos um desafio, uma interrogação ou uma conversa com um amigo em que nos dá aquele clique e dizemos: “Tenho de aprender isto! Quero saber mais sobre isto”. E essa aprendizagem é até morrer. Há obstáculos a essa escalada de conhecimento e autonomia do cidadão que estão enraizados no nosso meio social, como o desporto de alta competição, as telenovelas que exageram nos sentimentos manifestados, os reality shows, as drogas usadas que se prolongam por anos a fio nas nossas vidas, onde se inclui o álcool, coisas que deturpam a nossa mente, mas que fazem parte do caminho não fossemos nós destas terras e desta sociedade.

Agora, que direito têm aqueles que não pretendem subir a escalada para a valorização do homem e mulher enquanto pessoa, ser humano e cidadão? Adormecidos e intoxicados pelos seus trabalhos, filhos e tarefas domésticas sem fim. Que tempo guardam para se valorizarem a si próprios tanto fisicamente como mentalmente? Que tempo guardam para o trabalho na terra e mostrar a seus filhos que os ovos vêm do cu das galinhas? Acordem, por favor, porque o voto é um direito vosso.

 

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Crónica, Sociedade

About Author

Hugo Moreira

Hugo Gomes Moreira. Nascido em 1988 Resdie atualmente em Vila Real, onde frequenta o 3º curso universitário na UTAD – Engenharia Florestal e é um estudioso dos fenómenos e mecanismos da Natureza. A par com o percurso académico, estuda as artes chinesas de adivinhação (I Ching) e do estudo da forma (Feng Shui). Reikiano, desde cedo se interessou pela espiritualidade e pelo estudo das Religiões e Filosofias das várias partes do Mundo.

Write a Comment

Only registered users can comment.