Empresa envolve Universidade do Minho e agências I&D do Minho no desenvolvimento destes produtos

Têxtil | Latino avança para criação de EPI reutilizáveis com funções antibacteriológicas e antivíricas

Têxtil | Latino avança para criação de EPI reutilizáveis com funções antibacteriológicas e antivíricas

Pub

 

 

Criar uma nova geração de equipamentos de protecção, que não sejam apenas uma barreira física à transmissão do vírus, mas tenham também com ação anti-bacteorológica e anti-vírica. Este é o conceito do Active Protection, o novo projecto do NidProtech, o Núcleo de I&D da Latino Group, empresa com sede em Adaúde, Braga, especializada em workwear e vestuário de protecção, que com o apoio do Compete 2020, quer também criar uma alternativa sustentável aos artigos descartáveis, destaca António Moreira Gonçalves em artigo do T-Jornal, publicação especializada em Indústria Têxtil e do Vestuário.

Batas, toucas e perneiras são alguns dos artigos que estão incluídos no projecto da têxtil de Braga liderada por Clementina Freitas, que conta também com a participação da Universidade do Minho, Sciencentris, TecMinho e Pixartidea num consórcio de empresas e centros de tecnologia já com experiência em vestuário técnico e de defesa.

Desenvolver equipamentos ativos

A transmissão do Coronavírus (SARS-CoV-2) ocorre durante uma exposição próxima a uma pessoa infetada, através da disseminação de gotículas respiratórias produzidas por tosse, espilros ou fala, as quais podem ser inaladas ou pousar na boca, nariz ou olhos de pessoas que estão próximas. O contacto das mãos com uma superfície ou objeto contaminado com SARS-CoV-2 e, em seguida, o contacto com boca, nariz ou olhos, pode conduzir igualmente à transmissão da doença.

Pela sua proximidade durante longos períodos de tempo com pacientes infetados com o coronavírus, os profissionais de saúde estão particularmente expostos ao risco de infeção. Neste sentido, é importante proteger estes profissionais que lidam diariamente com fatores de risco elevado provocados pelo vírus, para que estes, não sejam agentes ativos para a transmissão do mesmo e, da mesma forma, possam proteger-se de contaminação. Esta proteção é feita principalmente através do uso adequado de equipamentos de proteção individual (EPI), como por exemplo máscaras, batas, óculos, luvas etc.

Num contexto de pandemia à escala global, o Active Protection procura elevar a fasquia na qualidade dos equipamentos de protecção individual, utilizados sobretudos pelos profissionais de saúde. O objetivo é ultrapassar o conceito de barreira física com um comportamento apenas passivo, e desenvolver uma nova geração de equipamentos com um comportamento ativo no combate à propagação da doença. Para isso serão utilizados substratos têxteis com recurso a revestimentos poliméricos funcionalizados com nanopartículas de óxidos metálicos. Com esta tecnologia, o projecto espera criar barreiras ativas que protejam de ameaças químicas e biológicas, como vírus e bactérias.

“O projeto consiste no desenvolvimento, no âmbito das ações Covid-19, de uma nova geração EPI reutilizáveis com funcionalização anti-bacteorológica e anti-vírica para contexto profissional”, referiu Manuel Cruz, Coordenador do NidProtech, em declarações à plataforma do Compete 2020.

Reutilizar em vez de descartar

Para além disso, o Active Protection procura também que todo este vestuário seja reutilizável, de forma a evitar o desperdício e diminuir o impacto ambiental, sendo que em ambiente hospitalar continuam a ser as alternativas descartáveis as mais procuradas.

Apoios significativos à investigação e produção

O projeto conta com o apoio do Compete 2020 no âmbito do Sistema de Incentivos à Atividade de Investigação e Desenvolvimento e Investimento em Infraestruturas de Ensaio e Otimização (COVID-19), envolvendo um investimento elegível FEDER de 232 mil euros o que resultou num incentivo FEDER de 201 mil euros.

 

Fontes: T-Jornal, Compete 2020; Imagem: (0) Latino; (1)  Compete 2020

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Economia

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.