José Macedo

TAP | Governo era ‘Vitoria Silver’, quis passar a ‘Vitoria Gold’. Conseguiu?

TAP | Governo era ‘Vitoria Silver’, quis passar a ‘Vitoria Gold’. Conseguiu?

Pub

 

 

Esta semana que passou, o Estado português decidiu injetar 1200 milhões na TAP, a título de “empréstimo”. Comprou por 55 milhões, a David Neeleman, 22,5% da empresa, ficando a deter 72,5% do seu capital. Podemos dizer que, caso o Estado português fizesse parte do programa de milhas da TAP, o programa Vitoria, com esta operação o Estado veria o seu Estatuto revisto, passando de “Silver” para “Vitoria Gold”. Afinal de contas o Estado sempre foi o “Lounge” preferido da TAP.

A TAP já há muitos anos que é um problema sério em termos de gestão financeira. Desde o seu início que a TAP sempre se quis afirmar entre grandes companhias aéreas internacionais, no entanto nunca foi capaz de se tornar auto sustentável. Tem um sério problema de gestão de ativos, um sério problema de gestão financeira. Não há harmonia entre o investimento e a rentabilidade. Com 106 aviões, 9.500 funcionários, com um leque considerável de clientes fidelizados, a TAP continua, de tempos a tempos, a ver o seu futuro decidido por ajudas estatais.

Mas nacionalizar a empresa seria a solução? Qual seria a melhor solução afinal?

Se bem me recordo, há um mês atrás falava-se de uma necessidade imediata de ajuda estatal, para liquidez,  no valor de 600 milhões, que subiriam uns dias depois para 800 milhões, depois 1.000 milhões e chegamos ao final com um valor de 1.200 milhões! E será que ficaremos por aqui? Afinal a TAP valorizou-se bem neste último mês e nós nem nos apercebemos. Mas  nos últimos tempos este governo habituou-nos a ver dinheiro publico a ser despendido de forma gratuita. Por vezes, leva-me a pensar que quem de direito deve pensar que os números de que se falam apenas são números no balanço financeiro. Não pensam no futuro endividamento público, do Estado e das famílias portuguesas. Estamos a comprometer o futuro das novas gerações, o futuro dos nossos filhos.

Convém também  recordar que não foi a Covid-19 a causadora da crise na TAP. Digamos antes, que foi um acelerador. A TAP estava com dificuldades de liquidez já há bastante tempo, o Estado viu-se obrigado a intervir, ou deixava cair uma das principais companhias portuguesas. Uma empresa com 9500 trabalhadores, com um passivo grande, com necessidades de liquidez, não tem um futuro brilhante pela frente. O paradigma de gestão e atuação no mercado tem de ser alterado, e adequado a um mercado concorrencial realístico. Está na altura de parar de brincar aos gestores.

Acredito que o nosso Ministro da Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos e o nosso Ministro das Finanças, João Leão, acreditem que a TAP os irá levar em novos voos. Mas meus caros, a rota é a mesma, os aviões também. Não chega ter curso de “piloto”, é necessário ter “unhas” para pilotar esta companhia.

O nosso 1º Ministro, António Costa, que durante esta pandemia aprendeu alguns termos médicos, tem tentado fazer analogias médicas em tudo o que comenta. Se falou de antibióticos de forma deturpada, na TAP falou de “dor”, no que diz respeito a despedimentos que possam ocorrer na companhia aérea. O que ele se esquece é que o seu Governo está, aos poucos, a criar “metástases” e que com as medidas que toma, sem grande contenção, não lhe irá chegar a Quimioterapia ou a Radioterapia para solucionar a doença. E nessa altura, será incurável.

A oposição, que poderia combater estas “infeções” e tomar uma posição, tem funcionado mais como um Ben-u-ron, que atenua apenas o estado febril.

Caso para dizer que o Governo gostaria de voar daqui para fora, mas até as fronteiras aéreas internacionais nos fecharam.

 

Imagem: Não TAP os olhos

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Crónica, Economia

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

José Macedo

Economista.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.