O uso da ROM está a aproximar-se do de um parque de lazer, o que pode colocar em causa a sustentabilidade desta área protegida

Ambiente | Solidarity Soul e FAPAS alertam para a urgência de se preservar a Reserva Ornitológica do Mindelo

Ambiente | Solidarity Soul e FAPAS alertam para a urgência de se preservar a Reserva Ornitológica do Mindelo

Pub

 

 

A associação Solidarity Soul e o Fundo para a Proteção dos Animais Selvagens (FAPAS) lançaram um alerta para o aumento de visitantes na Reserva Ornitológica de Mindelo, em Vila do Conde, que pode pôr em causa a “sustentabilidade desta área protegida”.

As duas instituições revelaram essa preocupação numa carta aberta, divulgada inicialmente a 17 de junho, dirigida à presidente da Câmara Municipal de Vila do Conde, no distrito do Porto, convidando Elisa Ferraz a realizar uma visita ao local.

“Nos últimos tempos, apesar do contexto pandémico, tem-se registado uma grande afluência de visitantes à Reserva Ornitológica de Mindelo (ROM). Receamos que esse excesso de carga possa comprometer a sustentabilidade desta área protegida”, pode ler-se na missiva enviada à autarquia, assinada pelos dirigentes das associações José Tiago Sousa e Vítor Gonçalves.

Os responsáveis temem que a reserva “se esteja a aproximar de um parque de lazer, por força das circunstâncias que a intervenção levada a cabo no projeto ‘Naturconde’ levou “de negativo à ROM”.

“Foi público que não concordamos com o modo como o projecto ‘Naturconde’ foi executado. Em particular, os aspectos da execução do projecto que tendiam a desnaturalizar a ROM”. Para lá de “excessivos e desnecessários sob o ponto de vista conservacionista”, consideram também “nocivos para uma área com as caraterísticas que o estatuto Ornitológico lhe outorga”, afirmam os ativistas.

José Tiago Sousa e Vítor Gonçalves lembram também as frequentes “descargas poluentes na Ribeira de Silvares”, bem como “o desvio da Foz da Ribeira (…) é um problema (…) bastante grave e que carece de ser discutido”.

Falta de respeito pela natureza e pelo trabalho que tem vindo a ser realizado

Em complemento, a 2 de julho passado, Vítor Gonçalves, na sua página de facebook, deixa um artigo de Opinião no grupo informal Salvar a ROM, em que se mostra desapontado e desiludido com o que ‘progresso’ tem trazido a este local especial:

“As marcas dos rodados, por todo o lado, não são de hoje, mas podiam ser. Os depósitos de entulhos, que as imagens mostram, também eles, são de um passado recente. Porém, se deixarmos de limpar, podem muito bem ser de amanhã.

Nada disto seria assim se todos sentíssemos que a única e verdadeira casa que temos é esta terra que habitamos por momentos e a única oportunidade que alguma vez teremos de saber de onde viemos e para onde vamos”.

Fonte: SS, VG, TVI; Imagens: (0, 1) ROM, (2) António Lopes

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.