Concertos de abertura por Il Divino Sospiro e encerramento pela Die Kölner Akademie e gravação de todos os concertos pela RTP em destaque

Música | 42º Festival Internacional de Música da Póvoa de Varzim apresentado

Música | 42º Festival Internacional de Música da Póvoa de Varzim apresentado

Pub

 

 

 

O Festival Internacional de Música da Póvoa de Varzim (FIMPV) regressa para a 42ª edição, entre os dias 9 e 24 de setembro. O programa do evento foi apresentado, esta manhã, na Sala de Atos do Cine-Teatro Garrett, pelo seu Diretor Artístico, Raúl da Costa, e pelo Vice-Presidente e Vereador da Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, Luís Diamantino.

Devidamente adaptado às necessidades das normas indicativas da Direção-Geral da Saúde, que determinam naturais limitações no número de espectadores, o “Festival que tanto nos orgulha” irá manter a qualidade e os pergaminhos a que nos habituou ao longo de quatro décadas de história, conforme ressalvou o Vice-Presidente da autarquia poveira, que sublinhou a tenacidade de Raúl da Costa, ao “nunca desistir da intenção de levar a bom porto o evento” neste tempo estranho em que vivemos.

Apesar do número mais reduzido de espectadores, o autarca não tem dúvidas em considerar de vital importância a realização do Festival, reativando assim a cultura depois de “muito tempo parada”, frisando que “um País que não tem cultura é um País órfão”.

A tristeza das salas mais vazias será combatida através de uma parceria com a RTP, que irá transmitir online, em regime de streaming na RTP Palco, todos os concertos do FIMPV. Paralelamente, a televisão pública nacional irá gravar o Concerto de Abertura, no dia 10 – o extraordinário e muito popular ‘Stabat Mater‘ de Pergolesi, pelo agrupamento Il Divino Sospiro, sob a direção de Massimo Mazzeo, com as vozes de Andreas Scholl e Raquel Camarinha, a final do 13º Concurso Internacional de Composição, no dia 20, e o concerto final, no dia dia 24 – com obras de Vivaldi, Bach e Marcello, pela Die Kölner Akademie, sob a direção de Michael Willens – que serão posteriormente transmitidos na RTP2.

Desta forma, Luís Diamantino considera que “a RTP traz uma oportunidade” e permite que o FIMPV “seja transportado para alem das portas e dos limites de espaço em que está inserido”.

O Vice-Presidente do Município da Póvoa de Varzim não esqueceu a importância do “apoio do Ministério da Cultura e do Turismo de Portugal, a exemplo dos anos anteriores” e de reunir uma “equipa muito forte”, que conta com o “acompanhamento muito importante de uma comissão de professores da nossa Escola de Música da Póvoa de Varzim” e que trabalha “afincadamente para que este Festival tenho o êxito que tem, todos os anos”.

Raúl da Costa, diretor artístico do Festival, lembrou que esta edição, apesar de mais reduzida, exigiu “muita paciência, calma e estudo”, de modo a preparar “um plano A, B, C e D”.

Mais centrado nos artistas portugueses, o evento irá permitir, através da parceria com a RTP, que os seus concertos fiquem guardados para sempre, “como um documento nestes tempos tão estranhos em que vivemos”.

“Não devemos nunca esquecer a cultura. Devemos lutar pelos artistas e pelo público. A população tem necessidade de estar em contacto com a cultura”, concluiu.

O FIMPV terá início no dia 9 de setembro, quarta-feira, às 21h00, com a habitual conferência por Rui Vieira Nery, desta feita uma homenagem a Amália Rodrigues – ‘O Fado no Mundo e o Mundo do Fado’.

Os bilhetes para os concertos, com o preço único de 5 euros, estarão à venda exclusivamente através da bilheteira online BOL, a partir do dia 1 de agosto. Todos os concertos serão também acompanhados online em transmissão direta no portal da RTP Palco e no site do FIMPV.

Fonte e Imagens: Município da Póvoa de Varzim

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Agenda, Cultura

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.