Abdón Fernández: Deve-se manter o “respeito pela história” e pelo “traçado original” da ligação de Braga a Santiago pela Geira e os Arrieiros com a passagem por Berán

Peregrinar | Jacobeus do Caminho Minhoto Ribeiro em direção a Santiago persistem na homologação do trajeto

Peregrinar | Jacobeus do Caminho Minhoto Ribeiro em direção a Santiago persistem na homologação do trajeto

Pub

 

 

A Associação do Caminho Jacobeu Minhoto Ribeiro (ACJMR) enviou ao conselheiro da Cultura e Turismo do governo regional da Galiza um documento em que pede o reconhecimento de Berán como parte integrante do Caminho da Geira, que liga Braga a Santiago de Compostela.

A iniciativa surge na sequência de uma petição em defesa do traçado original e de um encontro marcado para sábado, 4 de julho, com o objetivo de reivindicar o “respeito pela história” e pelo “traçado original” do projeto desenvolvido pela ACJMR, explica o presidente da associação, Abdón Fernández.

Na missiva enviada ao conselheiro da Cultura e Turismo da Junta da Galiza, Román Rodríguez González, a ACJMR “pede que considere a passagem por Berán, de acordo com os dados históricos, ao contrário do que faz a proposta apresentada pela associação de concelhos”, que pretende desviar o itinerário da terra onde nasceu o projeto em 2009.

Na argumentação que enviou ao conselheiro, no dia 15 de junho, a ACJMR explica que o traçado do Caminho da Geira e dos Arrieiros foi reconhecido a 28 de março de 2019 pela Igreja, sendo desde então atribuída a Compostela a quem cumpre o itinerário.

Defesa do Caminho da Geira e dos Arrieiros por Berán

“Este traçado, apresentado à Igreja pela associação Codeseda Viva e praticamente coincidente com o nosso – Caminho da Geira Minhoto Ribeiro -, contempla e bem a passagem por Berán, que fica a 100 quilómetros de Santiago, a distância mínima para a atribuição da Compostela aos peregrinos a pé”, explica Abdón Fernández.

Em defesa do caminho por Berán, os autores da missiva enviada a Román Rodríguez González apresentam documentação histórica e apontam o facto de “alguns dos autores da proposta da associação de concelhos terem reconhecido há anos a passagem por aquela localidade, mudando agora de opinião”. Publicaram também recentemente o livro Caminho de Santiago da Geira e dos Arrieiros – Guia visual comentado do património cultural e natura da autoria de Carlos Barreira, vice-presidente da Codeseda Viva em que se dá a conhecer aos peregrinos os principais motivos de interesse histórico, cultural e natural deste percurso.

Impacto sócio-económico deste Caminho na população local

O Caminho da Geira e dos Arrieiros, que liga Braga a Santiago de Compostela, na distância de 240 quilómetros, passando por quatro municípios portugueses e 15 galegos, tem também uma componente de termalismo. E este é mais um argumento usado por Berán, que possui termas, tendo sido investidos três milhões de euros num novo balneário, em 2003, mas que continua encerrado.

Quanto à petição publicada na plataforma online Petição Pública, intitulada “Caminho de Santiago desde Braga e por Berán”, já foi subscrita por 186 pessoas (1 de julho), o equivalente a metade dos peregrinos que no ano passado receberam a Compostela por terem cumprido o trajeto.

Entretanto, com o objetivo de dar a conhecer o projeto da AJCMR, está marcado para sábado, 4 de julho, o encontro “Berán no Caminho. Somos Caminho – O Caminho da Geira Minhoto Ribeiro”.

No encontro será apresentado o projeto e o “traçado original”, com a sua passagem por Berán, e feita a descrição e comparação com outras propostas sujeitas a oficialização. O impacto sócio-económico do caminho na população local é outro aspeto em análise.

Reconhecimento anterior

O Caminho da Geira e dos Arrieiros foi reconhecido pela Igreja no ano passado, quando o delegado de peregrinações do cabido da Catedral de Santiago, o deão Segundo L. Pérez López, assinou um certificado onde refere que o traçado cumpre “as condições de outros caminhos de peregrinação” e por isso “concede a Compostela” a quem o percorrer. Está em curso o processo de homologação pelas entidades civis.

Caminho da Geira e dos Arrieiros por Berán: números de 2019

No ano passado foi percorrido por 367 peregrinos em 10 meses. A maioria partiu de Braga (227), seguindo-se Castro Laboreiro (104), Entrimo e Ribadavia (com oito cada).

Os portugueses constituem o maior grupo (80%), havendo ainda registo da passagem de italianos, suíços, franceses, brasileiros, polacos e holandeses.

Além dos peregrinos que receberam a Compostela (e, como tal, entraram nas estatísticas), a associação  Codeseda Viva considera que muitos outros o fizeram, apontando uma estimativa global de 850 pessoas.

Fonte e Imagens: AJCMR

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.