Sabores

Manjericos

Manjericos

Pub

 

 

Um destes dias folheei um tratado árabe de agricultura do século XI que me surpreendeu. Ali, com quase mil anos de distância, observei plantas que ainda hoje estão à nossa mesa. Os tremoços, as ameixas, o trigo, as cabaças, o feijão-frade (porque o outro ainda não tinha cá chegado), o grão-de-bico e tantos outros alimentos. E lá está também o manjerico, a crescer num vaso, ladeado por uma dama, que delicadamente lhe põe a mão por cima para depois o cheirar, e um homem a cheirar um raminho que tem entre as mãos. E este gesto simples que ainda hoje repetimos fez-me viajar para as festas populares deste mês de Junho onde o manjerico e outras ervas andam por aí, de mão em mão, a alegrar os espíritos. Sim, porque este é o mês em que todas as ervas aromáticas atingem o seu crescimento, exalando o máximo do seu perfume. É, por isso, também, o mês em que se colhem e guardam a maior parte das ervas para consumir ao longo do ano, em chás e tisanas ou para aromatizar a comida. E, segundo a tradição, algumas destas ervas, para terem depois o seu efeito terapêutico, tinham que ser colhidas na noite de São João. E porque o cheiro é forte e aromático, nesta mesma noite leva-se para o arraial um raminho de qualquer erva, mais ou menos cheirosa, para se dar a cheirar ou, então, queima-se o rosmaninho e outras ervas em fogueiras purificadoras.

Mas aquele manjerico tocou-me especialmente. E deixou-me curiosa. Procurei-o, por isso, em tratados agrícolas dos séculos seguintes, mas não o encontrei. Apenas em 1825 há um botânico que diz que se cultivam em alegretes e jardins. Registei ainda uma outra nota documental: as freiras do convento do Carmo de Guimarães compraram em Junho de 1725 uns sachinhos para picarem os “cheiros e os alegretes”. E eu quero acreditar que nestes alegretes cresciam alguns manjericos.

Contas feitas, o manjerico está por cá, há pelo menos mil anos, talvez até desde o tempo dos romanos, para perfumar e alegrar os dias quentes do Verão. Só que de tão quotidiano pouco se registou a seu respeito. Valeu-nos esta imagem tão bela e tão antiga!

Só que este ano quase não apareceu nas praças, nos restaurantes e nos cafés. E eu, nos sítios habituais, também não encontrei o meu manjerico à venda; e não, ainda não o comprei.

Em tempo de pandemia até os manjericos ficaram confinados!

vila nova - história da alimentação - tratado árabe - manjerico - anabela ramos - tradições populares - s. joão

Imagem: BNF

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que a VILA NOVA está a desenvolver; e não pagou por isso.

VILA NOVA é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores.

Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a VILA NOVA praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar com a VILA NOVA. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A VILA NOVA tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura de amigo da VILA NOVA com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Crónica, Cultura

About Author

Anabela Ramos

Historiadora.

Write a Comment

Only registered users can comment.