Novo aterro sanitário em Covelas incomoda trofenses, mas poderá também perturbar vida de tirsenses e famalicenses

Ambiente | PAN quer ver esclarecida eventual ligação entre aterros sanitários da Trofa e de Santo Tirso

Ambiente | PAN quer ver esclarecida eventual ligação entre aterros sanitários da Trofa e de Santo Tirso

Pub

 

 

Há cerca de um mês e meio,  a 19 de maio, surgiu, de forma inesperada, a notícia de que a Trofa iria receber um aterro sanitário da Resinorte que aproveitaria as infraestruturas de um outro já existente, mas desativado, e que se situa mesmo ao lado, em território do concelho de Santo Tirso. A instalação seria aí instalada a troco de uma indemnização de 2 milhões de euros pagos pela empresa gestora de resíduos.

Entretanto, a autarquia terá mudado de posição e recuado no patrocínio do equipamento sanitário, mas isso não tem sido suficiente para demover protestos reunidos sob a designação “Movimento contra o aterro em Covelas”, bem como (in)certezas relativamente a todo este processo, uma vez que o aterro poderá avançar, mesmo contra a vontade do Município da Trofa e das suas gentes.

Em face de posições pouco claras e de informações contraditórias por parte da Câmara Municipal  da Trofa e da empresa de gestão de resíduos, o Grupo Parlamentar do PAN – Pessoas-Animais-Natureza solicitou informações sobre os aterros de Covelas, na Trofa, e o aterro Santa Cristina do Couto, Santo Tirso,  ao Ministro do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes.

Com efeito, no seguimento das notícias veiculadas sobre a construção de um novo aterro em Covelas, no concelho da Trofa, pela empresa Resinorte, surgiram posições e testemunhos contraditórios sobre a extensão do mesmo ao aterro sanitário de Santa Cristina do Couto, em Santo Tirso, encerrado desde 2016 por ter atingido o limite de capacidade de deposição.

“O PAN pretende que o Governo venha proceder a um cabal esclarecimento, de forma a que fique claro para as populações saber se há ou não a intenção política de reativar o aterro de Santo Tirso e se há relação com o novo aterro da Trofa”, exige Bebiana Cunha deputada do PAN à Assembleia da República, eleita pelo círculo do Porto.

Ora, segundo declarações de Sérgio Humberto, Presidente da Câmara da Trofa, “a freguesia de Covelas, naquele município, iria receber a extensão do aterro sanitário que será reativado em Santo Tirso, recebendo a autarquia dois milhões de euros de indemnização”. Ainda de acordo com o autarca, o aterro “vai funcionar dos dois lados [Santo Tirso e Trofa], pois assim será aproveitada a estrutura do lado de Santo Tirso, designadamente do tratamento dos lixiviados”. No entanto, a Resinorte não só nega a versão divulgada pelo autarca da Trofa, como dá inclusivamente nota de que o aterro de Santo Tirso “tem já um projeto aprovado pelas autoridades competentes, para a sua selagem definitiva e subsequente integração paisagística, que se efetivará também a breve prazo”.

“Consideramos igualmente importante que sejam conhecidos os resultados da monitorização ambiental das células já encerradas; qual a área a ser ocupada pelas novas células a construir e que tipo de tratamento vai ser utilizado no tratamento de águas lixiviantes, já para não falar das  conclusões do estudo de impacte ambiental”, sustenta ainda a deputada do PAN.

 

 

Fontes: PAN, Município da Trofa, O Aterro da Trofa, Expresso; Imagem: Google

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.