Afife, Ofir, Póvoa de Varzim e Árvore entre os locais onde estirpes patogénicas podem ter sido detetadas

Balnear | Detetadas bactérias perigosas em praias do Minho e arredores

Balnear | Detetadas bactérias perigosas em praias do Minho e arredores

Pub

 

 

As praias de Afife, em Viana do Castelo, de Ofir, em Esposende, da Póvoa do Varzim, e da Árvore, em Vila do Conde, são quatro das 10 praias do Litoral Norte onde investigadores do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), uma escola de Ciências da Vida da Universidade do Porto, detetou a presença de bactérias patogénicas, algumas delas resistentes a antibióticos, que acreditam serem impulsionadas pelas alterações climáticas.

A investigação, ainda em curso, identificou uma emergente disseminação de bactérias patogénicas nas águas balneares do Norte.

Investigadores do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), no Porto, detetaram bactérias perigosas para a saúde pública, entre as quais a causadora da cólera, uma outra de gastroenterites e ainda uma terceira causadora de septicemias fatais nas águas de praias balneares do Norte do país. Sendo o estudo realizado em apenas 10 praias, os seus resultados podem ser potencialmente extensíveis às demais da região.

Os resultados foram obtidos no âmbito do projeto BeachSafe – Poluentes microbianos emergentes em águas balneares, desenvolvido pelo Laboratório de Hidrobiologia e Ecologia do ICBAS, que estuda a presença de agentes microbianos em 10 praias atlânticas situadas na região Litoral Norte.

Praias do Litoral Norte potencialmente perigosas

Afife, Ofir, Póvoa do Varzim, Árvore e Matosinhos, na região do Minho e zona norte do Douro Litoral, e Salgueiros, Aguda, Paramos, Cortegaça e São Jacinto, situadas na zona sul do Douro Litoral e Beira Litoral, entre Vila Nova de Gaia e Aveiro, são as praias onde os estudos foram efetuados ao longo de 14 meses.

“Em águas balneares do Norte de Portugal, classificadas como excelentes para banhos de acordo com a legislação em vigor, foram detetadas bactérias do género Vibrio (V. cholerae, V. parahaemolyticus e V. vulnificus), algumas patogénicas para o ser humano, inclusive resistentes a antibióticos”, destaca Abigaíl Baptista no Notícias da Universidade do Porto.

O aumento da temperatura, as variações de salinidade e a concentração de partículas na água parecem ser responsáveis pela propagação destas bactérias, que representam um risco não contabilizado para a saúde pública, uma vez que a avaliação oficial é feita exclusivamente por indicadores fecais.

Problema de natureza global

O número de infeções relacionadas com a água balnear em todo o mundo, incluindo na Europa, tem vindo a crescer nos últimos anos. A maioria dos casos está associada a bactérias autóctones que encontram condições favoráveis para se propagarem, devido às alterações climáticas, ou a vírus entéricos, em resultado das descargas de águas residuais brutas ou deficientemente tratadas.

 

Fonte: NUP; Imagens: Fernando Araújo

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.