Segunda edição de órgão privilegiado de ligação entre o partido e a sociedade civil pretende elaborar projeto alternativo de governação

PSD | Joaquim Sarmento preside Conselho Estratégico Nacional

PSD | Joaquim Sarmento preside Conselho Estratégico Nacional

Pub

 

 

O Conselho Estratégico Nacional do PSD vai regressar ao trabalho no terreno, em todo o país, com uma equipa renovada e algumas alterações formais na sua estrutura organizacional e temática, anunciou o Partido Social Democrata esta sexta-feira, 19 de junho.

Com o CEN, o PSD pretende promover “um espaço de debate aberto a todos os militantes, simpatizantes do PSD e pessoas independentes, que se interessam por política ou por uma qualquer área temática ligada à sua área profissional ou pessoal”, tem vindo a afirmar Rui Rio.

Tal como já tinha sido aprovado em reunião da Comissão Política Nacional, o economista Joaquim Miranda Sarmento é o novo presidente do CEN, substituindo no cargo David Justino. O antigo ministro continuará a coordenar a secção temática de Educação, tal como Joaquim Sarmento se manterá à frente da de Finanças Públicas.

O CEN, órgão privilegiado de ligação entre o partido e a sociedade civil, passa a ser constituído por  15 secções temáticas, orientadas por um Coordenador e dois Vice-Coordenadores, sendo um dos Vice-Coordenadores obrigatoriamente deputado.

A participação dos deputados no CEN irá permitir que os temas em debate possam ser alvo de discussão pública no Parlamento e mesmo de iniciativas legislativas que respondam mais rapidamente a problemas setoriais ou outros.

Ao todo, a Coordenação Central do Conselho Estratégico Nacional passará a funcionar com uma equipa de 50 pessoas, que será responsável pela  elaboração de um projeto alternativo de governação para Portugal.

Entre os nomes constituintes desta estrutura de debate e coordenação política consta o de André Coelho Lima, deputado eleito pelo círculo de Braga Alguns dos nomes mais relevantes da anterior estrutura, tais como Ângelo Correia, Arlindo Cunha, Silva Peneda ou Tiago Moreira de Sá, mantêm-se no novo CEN, mas, em alguns casos, mudam de área.

Por outro lado, assinala-se a entrada de antigos membros do governo de Passos Coelho: Miguel Castro Neto e Manuel Pinto de Abreu.

A primeira edição do CEN juntou mais de duas mil pessoas que contribuíram com as suas sugestões e propostas para o programa eleitoral do partido, apresentado nas últimas eleições legislativas, em outubro de 2019.

Já este ano, o CEN foi responsável pela elaboração do” Programa de retoma económica Pós-Covid”, apresentado recentemente, onde se destacam medidas de recuperação económica de curto e médio prazo, que pretendem responder aos efeitos da pandemia que o país enfrenta.

A primeira reunião presencial do CEN deverá ter lugar em breve.

Coordenadores do novo Conselho Estratégico Nacional do PSD é a seguinte:

  • Negócios Estrangeiros: Tiago Moreira de Sá
  • Finanças Públicas: Joaquim Sarmento
  • Reforma do Estado: Silva Peneda
  • Defesa Nacional: Ângelo Correia
  • Justiça: Manuel Teixeira
  • Segurança e Proteção Civil: António Tavares
  • Agricultura: Arlindo Cunha
  • Infraestruturas e Obras Públicas: Miguel Castro Neto
  • Ambiente e Energia: Salvador Malheiro
  • Economia e Empresas Trabalho e Inovação: Rui Vinhas da Silva
  • Saúde: António Araújo
  • Trabalho e Segurança Social: Jorge Bravo
  • Educação e Desporto: Coordenador: David Justino
  • Ensino Superior, Cultura e Ciência: Maria da Graça Carvalho
  • Assuntos do Mar: Manuel Pinto de Abreu

 

Fontes: PSD: RR; Imagem: PSD

 

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

 

Pub

Categorias: Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.