Luís Filipe Sarmento

Poesia | Afinal onde está o meu berço?

Poesia | Afinal onde está o meu berço?

Pub

 

 

Se digo mãe, digo Itália; se digo avó, digo ilha,

se digo bisavô, digo Galiza; se digo trisavó, digo França

um tetravô na Grécia outro em Damasco;

um perdido na Índia cigana outra nas ruas da Palestina,

se chegar aos décimos avós sou de todos os lugares,

venho de todas as origens, concebido em todas as religiões;

venho de um pirata e seguramente de uma puta,

de um marajá e de uma cortesã, uma geisha

e um traficante de sedas; uma amazona das estepes

e um boiardo; um vizir e uma poeta,

família de assaltantes nos idos dos avós doze,

marinheiros das austrálias, perdidos nos infernos

de ser gente do mundo e no mundo parental

chego depois de várias incidências

a esta Lisboa remodelada; na Mouraria um primo

outro no Quartier, uma prima no Magrebe

outra em Moscovo e mais uma no Congo

e milhares no Brasil, o meu ADN é o mundo,

as minhas células do universo

sou um homem feito de mulheres em verso.

Nas minhas veias há um refugiado profundo.

Afinal onde está o meu berço?

 

Imagem: José Lorvão

Obs: poema previamente publicado no livro ‘Casa dos Mundos Irrepetíveis’, 2016.

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Cultura

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.