Luís Tarroso Gomes

Património | Convertidas: cimentar a defesa da ecologia

Património | Convertidas: cimentar a defesa da ecologia

Pub

 

 

A primeira pessoa que vi em Braga exigir a preservação do interior não construído dos quarteirões do centro histórico, talvez há uns 20 anos, foi Miguel Bandeira. Como sempre, então, Miguel Bandeira estava à frente e chamava-nos a atenção para dimensões do planeamento urbanístico discutidas noutros países e na literatura científica mas que por aqui eram meros devaneios.

O conceito era muito interessante: não destruir os quintais dos centros históricos, por um lado porque eles também eram históricos mas acima de tudo por constituírem bolsas naturais dentro da cidade. Manter as áreas permeáveis devia ser prioridade dos centros, pondo de lado a sua urbanização como até aí acontecia.

Entretanto, passados muitos anos esta ideia ganhou forma de “lei” no PDM de Braga através da inclusão e definição de uma Estrutura Ecológica Municipal. Dentro desta, uma categoria importante surgiu – os “Jardins Privados e Logradouros” que a Câmara considera “fundamentais para o equilíbrio e sustentabilidade do tecido urbano” e uma “oportunidade para a melhoria da qualidade de vida urbana”.

No centro da cidade o PDM identifica conjuntos de quintais de grandes dimensões. Um deles era a “quinta” da Oficina S. José, na R. 25 de Abril, onde floresceu um belo Continente Bom Dia. Outro desses espaços a preservar, segundo o PDM, é o quarteirão das Convertidas, que, aliás, é dos maiores espaços verdes fechados de Braga.

Pela mão da Câmara, a destruição e impermeabilização dos quintais a verde na imagem [cerca de 1/3 do quarteirão] começou esta semana [há máquinas a arrasar o que ali há de verde] após aprovação da ampliação dos 3 edifícios históricos da Av. Central.

A Câmara Municipal decidiu, portanto, que aqueles belos princípios ecológicos do PDM ficam mais firmemente cimentados debaixo de um prédio de 5 pisos a construir nos quintais que vêem na foto. E ainda deu ao promotor um desconto!

PS: falta acrescentar que o PDM é de 2015, ou seja, já da gestão de Rio e Bandeira.

 

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Crónica, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.