Vítor Pereira

Palavra | Razão vs Opinião

Palavra | Razão vs Opinião

Pub

 

 

O mundo moderno cada vez mais se assemelha a um tribunal aberto, em que cada indivíduo é senhor da sua jurisprudência, advogado, testemunha, carrasco, juiz de toda a gente excepto da sua consciência. O acesso ao conhecimento parece ser proporcional à vontade de opinar, mas gira em sentido inverso à necessidade de procurar a razão. A infraestrutura global anexa ao mundo digital veio dar rosto a um gene intrínseco e tão antigo quanto o próprio ser humano – a combatividade. Seja pelo desejo inconsciente de vencer um confronto, por mais pequeno que este seja, ou pelo resquício do qual derivam os traços da nossa evolução, paira na esfera social uma sede de guerra que ultrapassa a lógica cognitiva e onde impera uma lei marcial linguística em que o ódio se sobrepõe à prosa de amar.

Se por um lado, o direito à opinião é um dos alicerces da nossa liberdade e deve ser usado abundantemente para elevar os nossos direitos, por outro, o dever de imparcialidade e de responsabilidade racional deve levar-nos a procurar o conhecimento empírico existente para nos ajudar a suportar um ponto de vista, para que este não seja apenas uma forma de
exercer um desejo arbitrário de vencer um argumento.

A jusante destas deambulações, convém realçar que, impermeáveis a quaisquer considerações estão os direitos fundamentais que abarcam todo e qualquer ser senciente e que desta forma não podem nunca estar abertos a debate com intenção de os diminuir ou invalidar.

Tudo isto para dizer que, na opinião deste que vos escreve, vivemos numa era de informação e contrainformação, de opinião versus opinião em que regularmente colocamos o negativo das nossas emoções à frente da nossa capacidade de raciocinar e andar de mão dada com a lógica. Não raras vezes perdemos noção das palavras que atiramos aos outros, sem perceber que nos perdemos também de nós.

 

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categories: Crónica, Sociedade

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.