Minimizar risco de falência entre comerciantes e desemprego entre trabalhadores

Comércio | Centros Comerciais apoiam lojistas em mais de 300 milhões de euros em 2020

Comércio | Centros Comerciais apoiam lojistas em mais de 300 milhões de euros em 2020

Pub

 

 

Os membros da Associação Portuguesa de Centros Comerciais – APCC já acordaram com mais de 87% dos seus
Lojistas a concessão de apoios, num montante total de €305 milhões já para este ano, tornando-se o agente
económico que mais apoiou o sector do retalho no contexto da pandemia em Portugal. Em causa estão
descontos, incentivos aos Lojistas, reduções de custos de operação e o regime excepcional de mora das rendas,
que permite diferir o pagamento destas mensalidades para 2021 e 2022.

A APCC representa 93 Conjuntos Comerciais, que integram 8.600 lojas e mais de 90% da área bruta locável total
existente em Portugal.

APCC tem a seu encargo 300.000 postos de trabalho

“Estas medidas são resultado de uma postura de diálogo e cooperação entre os Centros Comerciais e os seus
Lojistas, assumida desde a primeira hora. Demonstram, assim, a capacidade do sector de trabalhar em conjunto
para encontrar soluções equilibradas, que assegurem a sustentabilidade de todas as partes. Tal como na crise
económica de 2010-2012, sabemos como fazer face a estes desafios assegurando a viabilidade do sector do
retalho e de toda a sua cadeia de valor, que emprega mais de 100 mil pessoas de forma directa e 200 mil de
forma indirecta”, afirma António Sampaio de Mattos, presidente da APCC.

Monitorização permanente

O responsável acrescenta que os associados estão conscientes da necessidade de “monitorização contínua” que
este contexto exige, e que será imprescindível que, como até aqui, proprietários e gestores continuem a gerir o
impacto desta crise encontrando as soluções necessárias de acordo com as características de cada Centro e cada
lojista.

“O sucesso dos Centros é também o sucesso dos seus Lojistas. Estamos certos de que a nossa capacidade de
inovar irá permitir que continuemos a ser uma alavanca da recuperação económica e o espaço preferido dos
portugueses e dos turistas que nos visitam para as suas compras e lazer”, acrescenta António Sampaio de Mattos.

 

Fonte: APCC; Imagem: BragaParque

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.