Partido exige medidas do Governo no sentido de travar abusos e proteger consumidores

Saúde | Bloco de Esquerda contesta modo de aplicação de taxas Covid-19 nas clínicas e hospitais privados

Saúde | Bloco de Esquerda contesta modo de aplicação de taxas Covid-19 nas clínicas e hospitais privados

Pub

 

 

Depois de várias semanas encerrado, o Hospital de Dia Trofa Saúde, em Vila Nova de Famalicão, reabriu e está a cobrar aos utentes pela proteção para a Covid-19. Numa fatura a que o Bloco de Esquerda teve acesso, foram cobrados cinco euros a um utente pela “Proteção de Covid-19 – Ambulatório”. Ao que se sabe, a cobrança desta importância está a ser também aplicada nas outras clínicas do mesmo grupo.

Esta situação motivou os deputados do Bloco de Esquerda eleitos por Braga, José Maria Cardoso e Alexandra Vieira, a questionarem o Governo. No documento entregue na Assembleia da República, estes deputados referem que “o utente em causa, que levou a sua própria máscara e gel desinfetante de casa, questionou a instituição sobre o porquê desta cobrança, tendo-lhe sido referido que a cobrança era para assegurar a higienização do espaço de atendimento”.

Para os deputados, “é incompreensível que as instituições privadas de saúde possam usar e abusar desta forma dos utentes que recorrem aos seus serviços, pelo que é necessário que estas situações sejam clarificadas e regulamentadas de modo a que o abuso não prevaleça sobre o bom senso”.

Os bloquistas querem, por isso, que o Ministério da Saúde esclareça “se considera legítimo que as instituições privadas de saúde cobrem aos utentes pela higienização do espaço utilizado para atendimento” e que indique “que medidas vão ser implementadas para proteger os utentes face aos abusos das instituições privadas de saúde”.

O Grupo Trofa Saúde Hospital é constituído por diversas instituições hospitalares privadas. A unidade de Famalicão fechou portas em plena pandemia causada pela Covid-19, situação que motivou uma pergunta do Bloco de Esquerda ao Governo, bem como bastante indignação entre a população famalicense.

Na página do grupo Trofa Saúde, é possível encontrar um ‘Plano de Ação contra a Covid-19‘ que, entre outros e de relevante nesta matéria, faz apenas referência a “Sensibilizar todos os clientes, colaboradores e profissionais para a necessidade de utilização de EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL em função de cada situação em concreto” não especificando a cobrança de taxas.

Assinale-se também que diversas outras clínicas têm vindo a ser acusadas destes procedimentos e, até agora, pelo menos uma delas – a Luz Saúde – deixou de cobrar tais sobretaxas.

Ateriormente, a associação de defesa dos consumidores DECO tomou semelhante posição o que levou a ERS – Entidade Reguladora da Saúdepronunciar-se favoravelmente à cobrança destas taxas, eventualmente até passíveis de cobrança noutros tipos de estabelecimentos.

 

Fontes: BE, ERS, DECO, TS; Imagens: (0) BE, (1) TS

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Política

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.