António Manuel Reis

Democracia | Portugal tem memória, Portugal tem História

Democracia | Portugal tem memória, Portugal tem História

Pub

 

 

A Democracia está doente.

Os Governos, com a ânsia de se manterem ao leme dos Países, pensam essencialmente nas eleições e nos votos, não actuando quando o devem fazer por calculismo político.

Temos assistido, pelo Mundo fora, à abdicação da Lei e da Ordem, ao manter as forças da ordem e segurança sequestradas (caso de Inglaterra, polícias sem armas a fugir dos manifestantes), inactivas perante o vandalismo, a anarquia e a tentativa de revisionismo histórico.

Este poder pelo poder põe a democracia, como a conhecemos, em causa.

As forças progressistas, acompanhadas do extremismo ideológico de esquerda, estão a tentar impor a sua doutrinação no mundo e chegar ao poder, não pelo voto popular, nas urnas (em 196 países reconhecidos, no mundo, somente 6 países têm governos baseados nesta sua ideologia), mas pela instigação à violência gratuita, ao medo, respaldada na procura de bandeiras ideológicas que mais não são que evoluções normais da sociedade.

A luta contra o racismo, a xenofobia, a discriminação sexual, a religião e mais algumas causas fracturantes são bandeiras de toda uma sociedade democrática e aberta, mas que esta esquerda totalitária, tenta abraçá-las como de pão para a boca, visando unicamente a sua sobrevivência política.

O mundo, como tudo na vida, teve a sua evolução ao longo dos anos. Sempre existiram países colonizadores, países colonizados, nunca na história do mundo foi negada a existência de escravatura, esclavagismo, tráfico humano, ditaduras, ditadores, negação dos direitos humanos, genocídios, de atrocidades entre outros.

Auschwitz, Gulags, Campo 22, Trai hoc Cai Tao, Phnom Pehn, falando destes actuais, jamais serão esquecidos.

A História é isso mesmo, aprender e evitar erros cometidos anteriormente.

Saber o que fizemos, como chegamos aqui, como estamos e para onde caminhamos.

Por mais que a esquerda, como norma, tente sempre reescrever a História, ela não desaparece.

O mundo começa a entrar em caminhos perigosos, quando aceita a anarquia, quando cede a caprichos das minorias, quando deixa livremente que ideologias totalitárias de esquerda, pela violência e o medo imponham a sua doutrinação.

Por mais que decapitem a cabeça ao Cristóvão Colombo, este será sempre aquele que descobriu a América.

Por mais que atirem estátuas de esclavagistas, de reis, políticos, borda fora, a História foi aquela, continua, nunca será apagada.

Por mais que tentem apagar o “E tudo o vento levou”, este não deixa de ser um filme icónico, com dez Oscars, um dos quais, entregue pela primeira vez a uma mulher preta.

Por mais que retirem a estátua de Baden Powell, o escutismo está aí para perpetuá-lo.

Ironia do destino é precisamente o facto de ser em países totalitários de esquerda que a memória histórica se mantém intacta.

Neste países, o “progressismo” ainda não chegou.

Na China, as estátuas de Mao, lá continuam.

Na Coreia do Norte, a do Kim Jong-il, ninguém lhe toca.

Na Rússia, Staline e Lenine continuam no alto da sua cátedra.

Estes mesmos que decapitam, conspurcam, arrastam, atiram ao rio estátuas, delapidam o património histórico da Humanidade, são os mesmos que defendem, protegem com unhas e dentes, as esfinges e lápides das figuras acimas referidas e mais algumas, como o Che e o Pol Pot.

Em Portugal a moda ainda não pegou, mas vai chegar.

Alguns lunáticos, desprovidos de inteligência e com certeza, cacimbados, por uma qualquer erva ou injecção que faz rir, já começaram nas redes sociais (com toda legitimidade que uma só uma sociedade democrata permite), a apelar à destruição de monumentos referentes à nossa História, o que sendo legítimo à luz da liberdade de expressão, é inaceitável.

Demos mundos ao mundo com as nossas conquistas, com muito suor, lágrimas e morte, nestes 900 anos de existência. Bem ou mal, é a nossa HISTÓRIA.

Não podemos aceitar este Atentado à História da nossa Pátria.

Não podemos permitir, numa sociedade democrática, que as forças progressistas de esquerda e extrema esquerda, sob cobertura do que menos positivo aconteceu na História, há séculos passados, através do medo, da violência, da anarquia, tentem chegar ao poder, seu principal objectivo.

É altura, mais que nunca, de as forças conservadoras e liberais saírem à rua, sem medo, defender Portugal, a sua História secular, antes que seja tarde.

O adormecimento causado pela pandemia, aliada aos Estados de Emergência, situação de calamidade que está em diversas situações a coarctar os direitos, liberdades e garantias, promovendo uma nova forma de totalitarismo e unanimismo desigual, não pode nem deve ser desculpa para aceitação de tudo. É assim que as ditaduras socialistas começam.

Por isso, a razão da História ser muito importante. Com o conhecimento, sempre podemos dizer que “já vimos este filme em algum lado”.

Não é pela Ponte Salazar em 1974 ter passado a chamar-se Ponte 25 de Abril que a História foi reescrita.

Basta lembrar quem foi eleito o português mais importante de sempre da nossa História.

Não ao fascismo, mas também não à doutrinação ditatorial de esquerda em Portugal.

Portugal é HISTÓRIA.

Portugal tem memória. Portugal tem História.

 

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Crónica, Política, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

António Manuel Reis

António Manuel Reis, nasceu em Barcelos a 07-10-1963. Concluiu em 1985, o curso na área de tinturaria têxtil UM/Mazagão. Formação em colorimetria, recursos humanos, automatização, sistemas de qualidade ISSO, planeamento, processos, produção. Industrial Têxtil de 1996 a 2009. Dirigente desportivo 1998 a 2004.Gestor empresarial de 2010 a 2013. Concluiu curso de formação de formadores em 2014. Trabalhador independente Real Estate Consultan 2018. Em curso, Licenciatura Ciências Sociais e Ciência Politica. Militante da JSD desde 1978/ Militante PSD desde 1981, delegado e Observador a Congressos, Delegado CPD, TSD, Membro da CPS, candidato a Presidente de Junta da UF Barcelos, deputado a UF. Candidato á Presidência da CPS. Membro independente da UF Barcelos. Partido Aliança em 2018.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.