Encerramento de estabelecimentos comerciais e confinamento da população levaram a uma queda da procura junto das empresas portuguesas

ITV | Exportações de vestuário caem quase 50% em abril

ITV | Exportações de vestuário caem quase 50% em abril

Pub

 

Os números ontem divulgados pelo Instituto Nacional de Esatística – INE apontam para a perda de quase metade das exportações de vestuário no quarto mês do ano em comparação com abril de 2019, equivalente a uma perda superior a 118 milhões de euros. Para Espanha, o principal parceiro comercial, os envios caíram 68%.

No total, a indústria de vestuário exportou apenas 130,5 milhões de euros em abril, representando uma descida de 47,6% face ao mesmo mês do ano passado, refletindo a quebra nas encomendas e nas vendas a retalho provocadas pelo confinamento para conter a pandemia de Covid-19 um pouco por todo o mundo.

Indústria têxtil entre as mais afetadas pela pandemia

“O encerramento das lojas um pouco por todo o mundo, em especial na Europa, e o confinamento da população levaram a uma queda da procura junto das empresas portuguesas de vestuário, que era previsível e inevitável nesta conjuntura”, justifica César Araújo, presidente da ANIVEC.

“Esta indústria foi das mais afetadas pela pandemia, com repercussões que já começam a ser visíveis nos números das exportações e que se vão prolongar pelos próximos meses. É, por isso, crucial que medidas como o lay-off simplificado e as moratórias sejam também alargadas no tempo, e que se resolvam os problemas com os seguros de credito à exportação, para permitir que a procura retome e, consequentemente, a indústria seja capaz de voltar a níveis de atividade sustentáveis”, sublinha.

Quedas significativas em todos os mercados

As quedas foram generalizadas nos principais mercados da indústria portuguesa de vestuário: as exportações para Espanha caíram 67,6% e para os EUA baixaram 41,5%. As descidas foram igualmente acentuadas em França (-28,1%), Itália (-23,8%), Alemanha (-25,9%), Reino Unido (-33,8%) e nos Países Baixos (-36,9%).

No total, os primeiros quatro meses do ano registaram uma redução de 17% nas exportações de vestuário, para 1,07 mil milhões de euros, somando uma perda de 181,7 milhões de euros.

 


Fonte: Anivec

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Economia

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.