Raquel Varela

Manifestação | Direito a lutar por direitos

Manifestação | Direito a lutar por direitos

Pub

 

 

Todos os dias na linha de Sintra, em comboios, viajam apertadas durante 2 horas 10, 100 (1000?) vezes mais pessoas do que as que se manifestaram contra o racismo este fim de semana. A manifestação não constitui nenhum perigo acrescido para a saúde pública.

Todos os dias, quem se manifestou, tem a sua vida exposta ao risco, ao COVID e a realidades muito mais graves. Não foi a saúde pública que motivou comentários contra a manifestação. A realidade é outra: todos em Portugal consideram o trabalho essencial, mas nem todos respeitam quem luta por condições dignas de trabalho e vida.

Todos sabemos que um operário – há 1 milhão no país – está em risco todos os dias nas cadeias produtivas. Vê-los juntos no comboio, na linha de montagem, no porto, ou na logística é normal e importante, batemos palmas enquanto nos confinamos (ainda bem, quem pode) em casas com jardim e apartamentos com sol à espera que o estafeta chegue com o jantar. A lutarem juntos é que já seria acessório, dispensável, uns “irresponsáveis” a contaminar o mundo. Louvam-se direitos democráticos quando eles estão na Constituição, mas condena-se quando são exercidos, em suma.

A morte de George Floyd transformou-se num poderoso grito que ecoou no mundo em plena pandemia – “não consigo respirar” é o sufoco de negros mortos pela polícia, de milhões de desempregados de todas as cores descartados como peças inertes, de empregados em pânico ou destruídos mentalmente com condições laborais cada vez mais degradadas, é não conseguir fazer planos e dar um sentido para a vida. Lutar colectivamente por direitos é para milhões de seres humanos, hoje, a única forma de lutarem pela vida.

A manifestação não é nem nunca foi uma questão de saúde pública, mas de exercício de direitos de quem normalmente não tem direitos. São as vítimas diárias, que todos os dias andam a olhar para baixo, humildes, são, dizem, os “efeitos colaterais da economia”, que se transformam – finalmente! – em sujeitos, de costas erguidas, a olhar em frente, com voz própria.

 

Obs: Este artigo foi previamente publicado em Raquel Varela – Historiadora.

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Mais recentes

About Author

Raquel Varela

Raquel Varela é Historiadora, Investigadora e professora universitária/ Universidade Nova de Lisboa /IHC e Fellow do International Institute for Social History (Amsterdam). Foi Professora-visitante internacional da Universidade Federal Fluminense. É coordenadora do projeto internacional de história global do trabalho In The Same Boat? Shipbuilding industry, a global labour history no ISSH Amsterdam / Holanda. Autora e coordenadora de 25 livros sobre história do trabalho, do movimento operário, história global. Publicou como autora 51 artigos em revistas com arbitragem científica, na área da sociologia, história, serviço social e ciência política. Foi responsável científica das comemorações oficiais dos 40 anos do 25 de Abril (2014). Em 2013 recebeu o Santander Prize for Internationalization of Scientific Production. É editora convidada da Editora de História do Movimento Operário Pluto Press/London e comentadora residente do programa semanal de debate público O Último Apaga a Luz na RTP.

Write a Comment

Only registered users can comment.