‘Este novo estudo muda o que sabemos sobre a dieta dos grandes dinossauros herbívoros’

Paleontologia | Cientistas descobrem a alimentação de um dinossauro com mais de 100 milhões de anos

Paleontologia | Cientistas descobrem a alimentação de um dinossauro com mais de 100 milhões de anos

Pub

 

 

Há mais de 110 milhões de anos atrás, um pesado dinossauro de 1.300 kg, revestido de armadura, comeu a sua última refeição, morreu e foi levado para o mar no que é hoje o norte de Alberta, no Canadá. Quando afundou, esta antiga besta agitou a lama que a envolvia no fundo do mar e ali ficou depositada até que o seu corpo fossilizado foi descoberto numa mina perto de Fort McMurray em 2011.

Desde então, investigadores do Museu Real de Paleontologia Tyrrell e das Universidades de Brandon e de Saskatchewan têm vindo a trabalhar para desvendar os muitos segredos do nodossauro que se encontra extremamente bem preservado, incluindo o que esse grande dinossauro blindado (um tipo de anquilossauro) realmente comeu na última refeição.

“A descoberta do conteúdo real do estômago preservado de um dinossauro é extraordinariamente rara, e esse estômago recuperado do nodossauro mumificado pela equipa do museu é de longe o estômago de dinossauro melhor preservado já encontrado até hoje”, disse Jim Basinger, geólogo da Universidade de Saskatchewan, membro da equipa que analisou o conteúdo estomacal do dinossauro, uma massa distinta do tamanho de uma bola de futebol.

“Quando as pessoas veem esse fóssil impressionante e nos dizem que sabemos qual foi sua última refeição porque o seu estômago estava tão bem preservado dentro do esqueleto, quase trazemos a fera de volta às suas vidas, fornecendo um vislumbre de como o animal realmente vivia as suas atividades diárias, onde morava e qual era sua comida preferida”.

Tem havido muita especulação sobre o que os dinossauros comeram, mas muito pouco se sabe de facto. Num artigo publicado recentemente no Royal Society Open Science, a equipa liderada pelo paleontólogo do Royal Tyrrell Museum, Caleb Brown, e pelo biólogo David Greenwood, da Universidade de Brandon, fornece evidências detalhadas e definitivas da dieta de grandes dinossauros que comem plantas – algo que não é conhecido, de forma conclusiva, em relação aos dinossauros herbívoros até agora.

“Este novo estudo muda o que sabemos sobre a dieta dos grandes dinossauros herbívoros”, disse Brown. “As nossas descobertas também são notáveis ​​pelo que elas nos podem dizer sobre a interação do animal com o seu ambiente, detalhes que geralmente não obtemos apenas do esqueleto de dinossauro”.

Estudos anteriores mostraram evidências de sementes e galhos no intestino, mas esses estudos não ofereceram informações sobre os tipos de plantas que haviam sido consumidas. Embora a forma dos dentes e da mandíbula, a disponibilidade e a digestibilidade das plantas tenham alimentado consideráveis ​​especulações, as plantas consumidas por dinossauros herbívoros permanecem um grande mistério.

Então, qual foi a última refeição de Borealopelta markmitchelli (que significa “escudo do norte” e reconhece Mark Mitchell, o técnico do museu que passou mais de cinco anos expondo cuidadosamente a pele e os ossos do dinossauro da rocha marinha fossilizada)?

“A última refeição do nosso dinossauro foram principalmente folhas de samambaia – 88% de material de folhas mastigadas e sete% de caules e galhos”, disse Greenwood, que também é professor adjunto da Universidade de Saskatchewan.

“Quando examinamos seções finas do conteúdo do estômago sob um microscópio, ficamos chocados ao ver materiais vegetais preservados e concentrados. Nas rochas marinhas, quase nunca vemos uma preservação tão soberba das folhas, incluindo os esporângios microscópicos e esporângicos das samambaias. ”

Jessica Kalyniuk, estudante graduada da Universidade de Brandon, e David Greenwood e Jim Basinger, demais membros da equipa, compararam o conteúdo do estômago com plantas alimentares conhecidas por estarem disponíveis no estudo de folhas fósseis do mesmo período na região. Descobriram então que o dinossauro era um comedor exigente, optando por comer samambaias específicas (leptosporangiado, o maior grupo de samambaias hoje) do que outras, e não comendo muitas folhas de cicadáceas e coníferas comuns à paisagem do início do Cretáceo.

Especificamente, a equipa identificou 48 palinomorfos (microfósseis como pólen e esporos), incluindo musgo ou erva-fígado, 26 musgos e samambaias, 13 gimnospermas (principalmente coníferas) e duas angiospermas (plantas com flores).

“Além disso, há uma quantidade de carvão considerável no estômago proveniente de fragmentos de plantas queimadas, indicando que o animal estava a navegar numa área recentemente queimada e estava a aproveitar-se de um incêndio recente e da descarga de samambaias que frequentemente emergem em uma paisagem queimada”, referiu David Greenwood.

“Essa adaptação à ecologia do fogo é uma informação nova. Como fazem os grandes herbívoros vivos, hoje em dia, como alces e veados, e elefantes na África, pela alimentação esses nodossauros teriam moldado a vegetação da paisagem, possivelmente mantendo áreas mais abertas pelo seu pastoreio”.

A equipa também encontrou gastrólitos, ou pedras de moela, geralmente engolidos por animais como dinossauros herbívoros e pássaros de hoje, como gansos, para ajudar na digestão.

“Também sabemos que, com base na preservação dos fragmentos de plantas e do próprio animal, a morte e o enterro do animal devem ter ocorrido logo após a última refeição”, disse Brown. “As plantas dão-nos uma ideia mais precisa da estação do ano do que os animais, e indicam que a última refeição e a morte e o enterro do animal aconteceram no final da primavera até meados do verão”.

“Em conjunto, estas descobertas permitem-nos inferir sobre a ecologia do animal, incluindo o quão seletivo foi a escolher de que plantas se alimentar e como pode ter explorado o crescimento da vegetação após a ocorrência de incêndios florestais. Também ajudará no entendimento da digestão e fisiologia dos dinossauros”.

O Borealopelta markmitchelli, descoberto durante as operações de mineração a céu aberto da Suncor Millennium, ao norte de Fort McMurray, está em exibição no Royal Tyrrell Museum desde 2017. O principal pedaço da massa estomacal está em exibição com o esqueleto.

Outros membros da equipe incluem os cientistas do museu Donald Henderson e Dennis Braman, investigador associado da Brandon University e Sask Cathy Greenwood, ex-aluna da Universidade de Saskatchewan.

A investigação sobre o Borealopelta markmitchelli – o melhor fóssil de um nodossauro já encontrado – prossegue para aprender mais sobre o seu ambiente e comportamento enquanto estava vivo. A estudante Jessica Kalyniuk encontra-se atualmente a expandir o seu trabalho em plantas fósseis da época para entender melhor a composição das florestas em que viveu este nodossauro. Muitos dos fósseis que examinará fazem parte das coleções de Jim Basinger na Universidade de Saskatchewan.

 

Fonte: USask; Imagem: RTMoPalaeontology

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Ciência

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.