Tiago Simães

Talento Made in Guimarães | Fernando André Gonçalves

Talento Made in Guimarães | Fernando André Gonçalves

Pub

 

 

A pessoa

O Fernando é a calma em pessoa. Sempre cool, sempre com uma palavra amiga, muito focado nos seus objectivos e com um bom senso muito cuidado.

Pessoa correcta e sincera, é um criativo que adora misturar disciplinas artísticas, designadamente a Arquitectura (sua área de formação) e a escrita. Um grande apreciador de música e das artes em geral.

O trabalho e a criação

Juntamente com o amigo Guilherme Castro criou a Zurban – Arquitectura, Engenharia e Construção, já lá vão mais de 10 anos. Os projectos para o futuro passarão inevitavelmente pela Arquitectura e pela escrita, sendo que para ele os dois campos são complementares. Nas palavras do Fernando, “sei que nunca seria autor de textos se não fosse arquitecto e, por outro lado, se não escrevesse, de certeza que não veria a arquitectura da mesma forma”.

Durante a formação académica, o Fernando criou o hábito de escrever pequenas histórias que funcionassem nos ambientes arquitectónicos que propunha. E foi assim que se foi enraizando o hábito da escrita. O seu primeiro livro foi editado em 2015, “O ser que me habita a memória”, surgindo precisamente desta ligação à Arquitectura. Na elaboração da tese de mestrado, obteve o registo de algumas aldeias que, por diversos motivos, tinham ficado desertificadas. A aldeia de Banrezes, localizada em Macedo de Cavaleiros, apaixonou-o desde o primeiro instante pois ocultava um motivo muito peculiar para essa desertificação. E, assim, foi pelo hábito de escrever histórias para os projectos que nasceu esse primeiro livro.

Em 2018 a Seda Publicações editou o segundo livro do Fernando, “Dias que voam Outono”. A escrita veio sem dúvida para ficar e ainda bem para todos nós, pelo prazer que nós dá conhecer tão talentoso autor. Venham mais livros e projectos, amigo!

#talentomadeinguimaraes #fernandoandregoncalves

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Tiago Simães

Tiago Simães é natural de Guimarães, onde nasceu em 1980. Após frequentar o Conservatório Regional de Guimarães e a Academia Valentim Moreira de Sá, ingressa na Escola Superior de Música e das Artes do Espectáculo do Porto, onde se graduou em Formação Musical Específica. Em Itália e Portugal, Estuda Regência Coral, Piano e Composição e Música - Teoria e Pedagogia, na Universidade de Aveiro. Tem participado em inúmeros projectos como artista integrante ou convidado, concertista ou maestro, a solo ou ensemble, tendo-se apresentado em diferentes palcos nacionais e internacionais e em vários estilos musicais e artísticos Lecciona Formação Musical e Classes de Conjunto no Conservatório de Música de Felgueiras desde 2005, tendo aí sido Director Pedagógico. Entre 2009 e 2014 exerce o cargo de Coordenador da Licenciatura em Educação Musical, no Instituto Superior de Ciências Educativas de Odivelas – Pólo de Felgueiras. Foi Director Artístico e Programador da Associação Círculo de Arte e Recreio, entre 2009 e 2013. Colaborou activamente na organização e execução do evento Guimarães 2012 – Capital Europeia da Cultura, tendo sido convidado a integrar o Projecto da Área de Comunidade “Outra Voz” como Regente Coral. Compõe o tema sinfónico “Guimarães 2012 – Obra para Orquestra e Coro” interpretado pela FOE sob a direção de Rui Massena. Foi ainda membro da Direcção do Projecto Tempos Cruzados. Enquanto membro directivo da Associação Convívio - entre 2011 e 2013 – é co-fundador e criador da Escola de Jazz do Convívio (Outubro de 2012), da qual foi docente e Director Pedagógico. É fundador do festival “O Verão é Jazz!”. Em 2013 cria o B-JAZZ: Convívio Jazz Choir, do qual é Maestro e Director Artístico até ao presente.. Colabora activamente com inúmeros projectos musicais de todas as áreas, enquanto produtor, músico de estúdio ou/e performer (Let the Jam Roll, José Malhoa, Azeitonas, etc...). É co-responsável pela componente musical do Festival Guimarães Noc Noc. Foi membro da Direcção Executiva e Coordenador do FMRG (Festival de Música Religiosa de Guimarães) desde a sua fundação até 2017 e exerceu as funções de coordenador do FIGG (Festival Internacional de Guitarra de Guimarães) entre 2016 e 2018. Foi co-regente e membro do projecto. Exerceu as funções de co-gestor e programador do São Mamede Centro de Artes e Espectáculos, Director Musical do espectáulo “Humanário Paralelamente à carreira de músico e pedagogo, é empresário, nomeadamente da MVJ e da Relógio de Ideias Produções. É programador do evento anual “Os Clássicos vão ao Interior”, divulgando música erudita pelo interior remoto. Escreve regularmente textos, crónicas e artigos de opinião para vários suportes e sobre os mais variados temas. Lançou o seu primeiro livro “Todos os dias ou não” em Março de 2020 pela Editora Astronauta e está previsto o lançamento do segundo ainda durante o mesmo ano.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.