Verónica Macedo e João Macedo oferecem sono seguro e tranquilo

Infância | Baby Box: bebés a dormir em berço de cartão

Infância | Baby Box: bebés a dormir em berço de cartão

Pub

 

 

Depois de seis anos em Inglaterra, Verónica Macedo e João Cortinhas decidiram regressar a Portugal quando souberam que iam ser pais. Consigo trouxeram uma ideia que conheceram naquele país e que decidiram transformar em negócio com a maior brevidade, incentivados pelo receio de ver algo semelhante aparecer no mercado português e depois ficarem a pensar: “Porque não fomos nós?”.

Chama-se Baby Box, ou seja, uma caixa de cartão que visa promover práticas de sono mais seguras para os bebés no sentido de diminuir o risco da Síndrome de Morte Súbita do Lactente, e que pode ser adquirida a partir desta segunda-feira, 1 de junho, no site da startup famalicense Baby Box.

O conceito nasceu na Finlândia na década de 1930, e está também presente noutros países como Reino Unido, Escócia, Austrália e Estados Unidos, mas é ainda praticamente desconhecido no nosso país.

A Baby Box inspira-se numa tradição da Finlândia, onde o conceito surgiu em 1938 com o objetivo de promover um início de vida mais igual para todos os bebés. Continua até hoje a servir esse propósito, sendo oferecida pelo Estado aos novos pais. A caixa, que se assume como um lugar seguro para o bebé dormir, o que dá tranquilidade aos pais, bem como os recursos educacionais a ela associados, tiveram impacto na redução da taxa de mortalidade infantil no país, sendo esta atualmente uma das mais baixas do mundo.

“A Baby Box é uma caixa de cartão certificado e muito confortável, especialmente desenhada para poder ser usada como um mini-berço, com a vantagem de poder ser transportada para qualquer lugar da casa, o que permite que as práticas seguras sejam cumpridas onde quer que os pais estejam”, explica a enfermeira de 32 anos.

Pela sua dimensão (68 centímetros de comprimento por 42 de largura) e conceito minimalista, a Baby Box reduz a tendência dos pais colocarem objetos junto ao bebé, como peluches, brinquedos e almofadas, uma prática que pode potenciar mortes por asfixia.

O casal vê a caixa como “um meio para um fim, funcionando como um objeto educativo para os adultos”. Isolada, a Baby Box poderá suscitar uma certa “estranheza”, mas, aliada à componente educação, “sente-se uma abertura completamente diferente” por parte dos pais portugueses.

Para lá da caixa propriamente dita, que aguenta um peso até dez quilogramas, a Baby Box inclui ainda um colchão ajustado, uma cobertura impermeável e um lençol 100% de algodão.

Este pacote pode ser adquirido por 34,95€, a partir desta segunda-feira, dia 1 de junho, data em que a empresa começa a aceitar encomendas. O valor já inclui portes de envio e a marca envia para qualquer ponto de Portugal Continental (as ilhas estarão para breve, garantem Verónica e João).

Em acompanhamento pelo Famalicão Made IN, através do seu Gabinete de Apoio ao Empreendedor, a startup Baby Box está instalada na Incubadora Famalicão Made IN – Polo Edifício Globus, em Vilarinho das Cambas, Famalicão. Vender em lojas com porta para a rua também está no horizonte, mas para já o casal dá prioridade ao canal de vendas online no site da empresa.

Fontes: Baby Box, Famalicão MadeIN: Imagens: Baby Box

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Economia

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.