‘Plogger’ especialmente indignado com falta de cuidado em zonas residenciais e grandes superfícies comerciais

Civismo | Carlos Dobreira denuncia pegada ecológica de desconfinamento em Fraião

Civismo | Carlos Dobreira denuncia pegada ecológica de desconfinamento em Fraião

Pub

 

 

Carlos Dobreira, ativista ambiental e praticante de plogging, de Braga, continua a denunciar as práticas de falta de civismo com que se depara todos os dias. Ontem, sábado, 23 de maio, o triste espetáculo que se lhe deparou, mas que também se encontra bem à vista de todos quantos passem pelo local, aconteceu em resultado da sua habitual prática desportiva de ar livre.

Indignado, o ativista – que regularmente denuncia este tipo de ocorrências um pouco por toda a cidade de Braga e a região circundante – destaca estarmos perante um “cenário lamentável de falta de civismo e de educação nos ecopontos da Rua do Outeiral, junto ao Loteamento com o mesmo nome, em Fraião”, concelho de Braga.

De facto, conforme atestam diversas imagens obtidas na ocasião, diversos resíduos recicláveis e perigosos encontravam-se colocadas fora dos ecopontos sendo ainda evidentes práticas erradas de separação de resíduos. Mais grave, no local – nas imediações e nos passeios – dá-se também a deposição de resíduos de construção, de vidros, de grelhas para churrasco e de metais diversos.

Nesta zona habitacional, muito conhecida por ali residirem algumas das figuras de relevo da política bracarense, Carlos Dobreira, observa que “começa a observar-se já a pegada ecológica resultante da presença dos seres humanos desde o início do processo de desconfinamento, conforme a Resolução do Conselho de Ministros n.º 33-C/2020, de 30 de abril”.

O plogger acrescenta ainda que, para além da situação dos ecopontos aqui retratada, “é visível a presença de milhares de beatas de cigarro, de plásticos e latas nas bermas das estradas da União das Freguesias de Nogueira, Fraião e Lamaçães, em particular junto das inúmeras moradias existentes e das grandes superfícies comerciais”.

Fonte e Imagens: CMRD

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.