Diana C. Pereira

Saúde Mental | Desespere! Mas… de forma saudável

Saúde Mental | Desespere! Mas… de forma saudável

 

 

Durante toda esta situação de pandemia, é esperado que tenha momentos de desespero e frustração. Momentos, esses, interpretados e sentidos como avassaladores. Quero que saiba que é normal! Não se culpe por desesperar. Não é sinal de fraqueza. É sinal que a sua mente quer lutar contra uma situação desconhecida e em que não se sente confortável.

A diferença entre o desespero “saudável” ou “não saudável” está na forma como ele se manifesta, ou seja, nas ações que tomamos para o enfrentar. Hoje, lanço-lhe, por isso, o desafio de “desesperar, mas de forma saudável”. Pense em estratégias que lhe foram úteis no passado para ultrapassar momentos difíceis e ponha-as em prática! Adapte-as da melhor forma que conseguir. Se não for possível cumpri-las na sua totalidade devido às regras impostas pelo estado de emergência (ex. em vez de ir à praia ver o mar, coloque o som das ondas a tocar no seu telemóvel ou computador e imagine-se na praia).

Deixo-lhe, igualmente, uma sugestão que considero maravilhosa para momentos de desespero: escreva uma carta. Ou então, caso não goste de escrever, expresse em alto e bom som aquilo que sente, porque o sente e o que gostaria de estar a sentir (pode fazer uma gravação se quiser que o momento fique registado).

Como todos já ouvimos dizer: “Deite cá para fora!” e, acima de tudo, não se cobre pelo que está a pensar ou sentir. Termine sempre o seu discurso de forma mais positiva e com um objetivo a cumprir (ex. “É normal sentir-me assim. Vou superar isto. Vou fazer…”). Objetivo, esse, que pode ser parar, descansar e usufruir de um momento seu para autorreflexão.

Permita-se “Desesperar! Mas… de Forma Saudável”.

 

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeito

Categories: Crónica, Sociedade

About Author

Diana C. Pereira

Diana C. Pereira - Mestre em Psicologia pela Universidade do Minho. Psicóloga Júnior na área da Psicologia Clínica e da Saúde.

Write a Comment

Only registered users can comment.