António Fernandes

Covid-19 | A conspiração

Covid-19 | A conspiração

 

 

A petição sobre o estudo pandémico do coronavírus causador da Covid-19, uma iniciativa da Austrália, em que se solicita se faça uma investigação internacional sobre a origem do Vírus, por entidades competentes devidamente creditadas, e que já foi assinada por cento e vinte e dois países, continua o seu trajeto diplomático em redor do mundo.

Por sua vez, e em resposta, a China discorda desta prioridade da petição considerando ser antes prioritário combater o Covid-19 e os Estados Unidos que tinham acusado um laboratório Chinês de o ter desenvolvido. Por esse facto, as autoridades políticas e sanitárias Chinesas ainda não se pronunciaram. Um facto demasiado estranho face ao discurso encrespado do presidente Americano, Donald Trump, contra a China, com ameaças antigas de boicote comercial e pedido de indemnização pelos danos da Covid-19. Esta última mais recente.

No meio deste dramático emaranhado que paralisou a economia mundial e reduziu ao medo e à incerteza o cidadão comum, a União Europeia estabiliza o “deve e o haver” das contas e dos gráficos da evolução pandémica e começa timidamente a levantar as medidas de confinamento social. Os seus Estados-membros programam a agenda económica e social, estabelecendo datas de início de atividades diversas a que denominam por desconfinamento, num cerco de notícias de alastramento galvanizado da pandemia em Países Europeus, como a Rússia e outros. Pelo seu lado, o continente Americano está a viver um drama dantesco, com a pandemia a atingir populações indígenas na Amazónia, concretamente nos Países fronteiriços; entre outros.

E, para descanso mental das civilizações, há um vasto conjunto de laboratórios, mais de uma centena, dizem, com ensaios clínicos e estudos científicos sobre medicação nuns casos e vacina noutros, de combate ao Covid-19 através da imunização e outras terminologias técnicas usadas. Alguns desses estudos apontam solução para setembro com probabilidade de eficácia determinante para o ano de dois mil e vinte e um, presumindo-se ser, no seu primeiro trimestre.

Emmanuel Macron, Presidente da França, veio a publico dizer que uma vacina contra o vírus tem de ser universal e gratuita porque a vida é um bem maior.

É neste complexo contexto que aparece Barack Obama, anterior Presidente dos Estados Unidos da América a dizer publicamente haver dirigentes políticos que já nem sequer disfarçam o faz de conta que governam. Um visado, presumo, o atual presidente em exercício nos Estados Unidos da América, Donald Trump, em resposta, rotula de incompetente e corrupto sem qualquer argumento de sustentação da acusação feita.

O nosso José Cutileiro, recentemente falecido, citou, em entrevista, um líder mundial que sempre que diz alguma coisa mente. Referia-se a Donald Trump.

Mas, como a ironia de Barack Obama aparentemente é mais lata, Jair Bolsonaro, presidente em exercício no Brasil, continua a sua saga pessoal de dar machadada letal na democracia e vai substituindo ministros por fantasmas de ministros, enquanto o Estado de São Paulo sucumbe em parceria com outros Estados perante o Covid-19 que contamina, alastra e mata milhões de cidadãos Brasileiros. Aparentemente, desde o início em que dizia que a Covid-19 era como uma gripezinha, só não lhe passam ao lado as manifestações de apoio à sua pessoa. A oração conjunta com o grupo de indivíduos fardados e armados é um desafio aos crentes mais convictos. Assim como será um desafio enorme para a Nação Brasileira descalçar este engulho do seu sapato coletivo.

Sobra a especulação sobre o enunciado e… a conspiração especulada intracultural e intercultural mantendo a distância aconselhada de dois metros entre pessoas que não sejam do mesmo agregado familiar ou parceria… os cuidados de higiene recomendados e… o uso obrigatório de máscara nos transportes públicos entre outras cautelas recomendadas.

Com seriedade e sem conspiração:

– Se tem uma doença crónica considerada de risco para o Covid 19;

– Se tem mais de 60 anos de idade;

– Se exerce atividade profissional onde a relação interpessoal é condição;

Cuide de si e dos semelhantes.  Proteja-se e proteja os seus semelhantes. Porque a sua vida é uma só e a dos seus semelhantes também.

Obrigado!

 

Imagem: Gage Skidmore

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Categories: Crónica, Sociedade

About Author

António Fernandes

António da Silva Fernandes nasceu em 1954, em S. José de S. Lázaro e reside atualmente em S. Mamede de Este, em Braga. É chefe de serviços da Alcatel. Como dirigente associativo, esteve e/ou está envolvido com: ACARE; GETA; Academia Salgado Zenha; Academia Sénior Dr. Egas; Associação de Pais da Escola Dr. Francisco Sanches; APD - Associação Portuguesa de Deficientes; Associação de Solidariedade Social de Este S. Mamede. Ao longo da sua vida, desenvolveu atividade política no MDP/CDE; JCP; PCP; LIESM-Lista Independente de Este S. Mamede; Comissão Política do Partido Socialista - Secção de Braga; Clube Político do Partido Socialista - Secção de Braga. Na política autárquica, desempenhou funções na Assembleia de Freguesia e no Executivo da Junta de Freguesia de Este S. Mamede. Desenvolve atividade na escrita: Poesia em antologias nacionais e plataformas digitais; Artigos de Opinião em Órgãos de Comunicação Social local e nacional, em suporte de papel e digital quer em blogues quer em Órgãos da Comunicação Social escrita. Colaborador na Rádio: R.T.M. (Solidariedade); Antena Minho (Cumplicidades).

Write a Comment

Only registered users can comment.