Manuela Cunha

Vírus | Uma nova pobreza

Vírus | Uma nova pobreza

Pub

 

 

Vivem em casas confortáveis.

Assoalhadas grandes e arejadas. Uma vista privilegiada. Acabamentos de primeira. Quentes no inverno, amenas no verão. Outras, talvez um jardim e/ou, quiçá, uma piscina. Depende dos gostos.

Uns preferem a cidade, outros a aldeia. Salários confortáveis. Filhos em colégios. Filhos nas universidades. Comida na mesa. Férias garantidas no Verão, uns cá dentro, outros no estrangeiro. Nas redes sociais, acumulam-se memórias de viagens percorridas, momentos de lazer e prazer. E o salário chegava! A vida estava garantida! Até que o vírus chegou!

Muitas destas pessoas não foram infetadas, mas foram dolorosamente afetadas. Continuam ainda a viver nas suas nobres casas, mas… a comida já não entra; ou pouco entra. Com cortes salariais e outros, sucumbidos pelo desemprego, contabilizam um dinheiro que já não chega. E como se o fardo já não fosse pequeno, o pseudo-alívio da moratória em breve se tornará num pesadelo.

Novos pobres em casas de luxo! Tudo o que estas pessoas sonharam num pertíssimo passado; tudo o que perspetivaram para si e para as suas famílias; todos os seus sonhos mais que legítimos estão a um passo de um qualquer cano de esgoto. O que lhes resta? Entregar a casa ao banco? Aos julgadores de consciências sem consciência até parece ser fácil. Não é de todo! Perder uma casa é arrancar um pedaço de nós. É perder o chão. É um luto. É muito triste. Intrinsecamente doloroso.

Obviamente que há perdas mais significativas, dirão uns. No entanto, as perdas não são comparáveis, cada uma no seu lugar. Perder uma casa também é perder uma parte de nós, porque a casa é o lugar onde moram os nossos Sonhos. Esta é uma nova pobreza: a dos órfãos de uma casa, da sua casa, de uma parte de si.

 

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Crónica, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Manuela Cunha

Formação Académica - Mestre em Ciências da Educação - Investigação na área da Inteligência Emocional e Psicologia Positiva. - Especialização em Educação Especial - Licenciatura em Ensino de Português e Francês Participação nos seguintes projetos: - Comunidades de Aprendentes com o Prof. Dr. Joaquim Azevedo - Embaixadora Led on Valius com o Prof. Dr. Roberto Carneiro - Mentora e Formadora da Escolas de Pais Especiais - Aprender a ser pais felizes com um filho com deficiência mental. - Palestrante convidada sobre Inteligência Emocional e Felicidade, em vários pontos do país - Participação em vários programas de televisão no âmbito da Educação Especial - Cronista convidada pela Porto Editora no portal da Educação - Educare.pt Livros publicados 1º - A Familia e a Escola face ao Auntismo 2º - Semeadores de Afetos - Vivências reais de uma professora da Educação Especial ( Este livro teve o reconhecimento televisivo pelo atual Presidente da República) 3º - Pais Felizes! Filhos Felizes! 4º- Ainda em fase de construção

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.