José Ilídio Torres

Pátria | O ‘cigano’ Ventura

Pátria | O ‘cigano’ Ventura

Pub

 

 

André Ventura, presidente demissionário do «Chega» e já anunciado candidato ao lugar,  resolveu esta semana, porventura entediado pela quarentena do desporto a que chamam rei, que lhe dá dividendos enquanto comentador do incomentável, atacar a comunidade cigana, o que lhe valeu, ao que parece, um tiro no pé.

Digo parece, porque nem sempre o que parece é e vice-versa.

Quaresma foi o primeiro a responder. Em bom português, com palavras de um humanismo tocante, que, sou honesto, me surpreenderam, vindas de alguém que até aqui era mais conhecido pelo drible endiabrado e pela trivela. Depois também o PM, aproveitando o linguarejar futebolístico e a baixinha Catarina, que não deve perceber muito de futebóis, mas nestas coisas de atentados à liberdade, é Catarineta.

Mas, e há sempre um mas, para populista ou vendedor de banha da cobra que se preze, e tenha lido a cartilha do capital, qualquer publicidade, por muito má que seja, é sempre publicidade. E é isso que o desventurado Ventura sabe melhor que ninguém.

O André sabe que há muitos portugueses para quem os ciganos são mal-amados, que os acham uns «fora-da-lei», que catam uns subsídios ao estado e mandam os putos à escola porque são obrigados.

E antes dos ciganos, os de cor, os emigrantes, e todos aqueles que no entendimento do desventurado Ventura, andam a comer o que é nosso e por isso, deviam voltar aos seus países.

Todos são cidadãos.

Enquanto professor, tive ao longo dos anos bastantes alunos ciganos. Rapazes e raparigas. Foram sempre os mais respeitadores, mesmo nos momentos em que o conflito falava mais alto  com os colegas, e um sopapo caía, davam e apanhavam, que nisto de  «ciganos» a cor da pele não conta.

O que me surpreendeu sempre nesta etnia foram coisas como solidariedade, ligação paternal, familiar, e até respeito e consideração por quem não os julga, mesmo tendo hábitos diferentes, mas que não podem ser avaliados, muito menos condenados por quem se acha detentor dos padrões de convivência social ou da sua etiqueta mais ou menos lei.

Quase todos eles abandonam cedo a escola. Vão cumprir o seu destino de saltimbancos pelas feiras, a saber fazer contas básicas e a escrever umas coisas em caixas de cartão. As raparigas mais cedo até que os rapazes, pois logo que são menstruadas, abandonam, muitas delas já prometidas em casamento.

E nada disto pode ser censurado, posto em causa, porque faz parte de uma cultura com séculos e séculos de história, que sofreu as maiores provações, foi perseguida, violentada.

Disto não sabe nem quer saber o Ventura desventurado. Para ele não passam de uns seres de segunda, que não se aculturaram, quais índios da Amazónia.

O Ventura, que também é André, percebe é da arte pantomineira da manipulação, crescendo dia após dia o número de acólitos que vêm nele o Messias, o prometido de uma corja bruta, que se acha dona da terra e confunde pátria com posse.

Não lhe passar «bola» é o melhor que se pode fazer.

Pátria mesmo é a língua portuguesa, tal como Pessoa a enunciou. Dela se vê o mar, como disse Vergílio Ferreira, e num povo que deu novos mundos ao mundo devem caber todas as pátrias.

André Ventura não cabe em mim de contente.

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Crónica, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

José Ilídio Torres

José Ilídio Torres nasceu em Barcelinhos em 1967. Estudou Direito e Arqueologia, mas acabou licenciado em ensino, variante de educação física, leccionando ao 1º e 2º ciclo do ensino básico. É formador em futebol há cerca de 20 anos. Trabalhou como jornalista na imprensa regional, em jornais como o Notícias de Barcelos e Primeiro de Janeiro, bem como na Rádio Cávado. É autor de 11 livros, em romance, conto, infanto-juvenil e poesia. Foi deputado municipal em Barcelos e candidato à Câmara Municipal pelo Bloco de Esquerda, tendo-se afastado recentemente da vida política activa.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.